sexta-feira, dezembro 31, 2010

Torneio de Personagens de BD Norte-Americana: Paródias IV

Calvin

Cuidado, este é triste de ver:







V


Não sei quem teve esta ideia, mas é muito boa, devíamos todos ter algo assim em casa.


E se V é de Vendetta, C deve ser de Cookie, vejam a paródia ao trailer aqui.

quinta-feira, dezembro 30, 2010

Torneio de Personagens de BD Norte-Americana: Paródias III

The Joker

Para os fãs de Joker e The Shawshank Redemption





Spider-Man


Este é um daqueles belos vídeos saídos do MTV movie awards. Com Jack Black tinha de ser bom.

Torneio de Personagens de BD Norte-Americana: Paródias II

Dr. Manhattan

Poster de propaganda de Dave Perillo
E um vídeo sobre a piada fácil nesta personagem aqui.


Batman

Robot Chicken é sempre politicamente incorrecto e altamente geek. A mistura dá maravilhas deste calibre:

quarta-feira, dezembro 29, 2010

Torneio de Personagens de BD Norte-Americana: Joker e V os desenhoas que faltavam

Do V já tinha prometido colocar aqui o desenho que David Lloyd me fez no "Absolute V For Vendetta":






Do Joker, esqueci-me completamente de mostrar esta pérola que Dave Mckean me fez em Beja há três anos atrás, no meu "Arkham Asylum":

Torneio de Personagens de BD Norte-Americanas: Paródias I

Personagens tão ilustres como os que chegaram a estes quartos-de-final já foram obviamente usados em várias paródias.

Aqui ficam algumas:


Snoopy

Em Family Guy, ver aqui.



Rorschach

No programa que pode ser visto no youtube, "I´m a DC and I´m a Marvel".

~



Superman


segunda-feira, dezembro 27, 2010

Torneio de Personagens de BD Norte-Americanas: Resultados da 1º fase

Grupo I


Foi o mais renhido de todos, aquele que vinha ver todos os dias para saber em que estado andava. Rorschach e V estavam constantemente a ultrapassar-se, se a sondagem tivesse terminado à hora prevista V tinha vencido por um voto a mais. Mas aparentemente o relógio do blogger não estava a funcionar correctamente e a votação prolongou-se mais umas horas acontecendo o que eu suspeitava, um empate.

Sendo assim, nos quartos-de-final teremos 9 invés de 8 personagens, afinal ambos lutaram para passar e merecem-no. Ambos tiveram 39% dos votos.


Grupo II
´
Óbvio desde o dia 1. Com Batman, um dos favoritos a vencedor, os restantes nunca tiverem hipótese. Hobbes foi o que reuniu mais votos a seguir, pois apela a outro género de BD ainda assim não foi nem de perto suficiente para parar o cavaleiro das trevas que venceu com 63%.


Grupo III

Começou por ser o grupo mais surpreendente quando Dream esteve a liderar durante alguns dias. Mas com o passar do fim-de-semana aquele que se previa vencer deu um salto para à frente, Superman vence com 36% dos votos. E até Two-Face acaba por ultrapassar Dream.


Grupo IV

Maioria absoluta para Snoopy com 53%. É um dos personagens de tiras cómicas mais populares e os restantes membros são mais desconhecidos, com a excepção de Spawn.


Grupo V

73% dos votos foi o melhor dos resultados em todos os grupos e foi conquistado por Spider-Man, outro dos favoritos a vencedor. Os votos também espelham que não era um dos grupos mais fáceis o que facilitou a vida ao aranhiço, ainda assim dificilmente seria eleminado nesta fase.


Grupo VI

Um grupo muito forte na sua generalidade, mas Dr. Manhattan, aqui acredito que o filme o beneficiou muito, conquistou o primeiro lugar sem suar, com 64%.


Grupo VII

Calvin teve mais sorte que o seu companheio, não teve ninguém com o peso de Batman no grupo. Isto aliado à sua imensa popularida, afinal quem não adora Calvin? consagraram-no o número 1 com 54% dos votos.


Grupo VIII

A seguir ao primeiro foi também o mais renhido com uma luta entre Wolverine e Joker, uma luta que acabaria por ser vencida pelo palhaço mais conhecido do mundo do crime. E ainda bem, pois iria fazer falta um vilão nos quartos-de-final. Joker arrecadou 47% dos votos.


Considerações finais:

Durante o dia de hoje as votações para os quartos-de-final estarão disponíveis.
Todos serão escolhidos aleatoriamente com a excepção de V e Rorschach, pois uma vez que já se defrontaram agora só se poderão voltar a encontrar na final.

Ficámos com um leque bastante diverso, temos duas personagens de tiras cómicas (Calvin e Snoopy), três super-heróis (Batman, Superman e Spider-Man), três personagens de graphic novels (Rorschach, V e Dr. Manhattan) e um vilão (The Joker).

sábado, dezembro 25, 2010

sexta-feira, dezembro 24, 2010

Torneio de Personagens de BD Norte-Americana - Grupo VIII

Wolverine


Criado por Len Wein e John Romita Sr. teve a sua primeira aparição no número 180 do “Incrível Hulk”em Outubro de 1974. Surgiu como um super-agente Canadiano com a missão de travar a destruição provocada pelo Hulk e pelo monstro Wendigo. Este mutante baixo e arrogante, cedo ganhou reputação, não demorando muito a unir-se ao mais famoso grupo de mutantes da Marvel, os X-Men, e conquistando mais tarde o seu próprio título, algo nunca alcançado antes por um membro do grupo. Hoje em dia é um dos mutantes mais amados da banda desenhada, sendo reconhecido pelas suas famosas garras e esqueleto de adamantium, bem como os seus sentidos apurados e factor de cura. Os seus amigos conhecem-no por Logan, mas o resto do mundo pode tratá-lo por: Wolverine.
Devido à sua capacidade de regenerar tecidos a grande velocidade, foi raptado e escolhido para participar no projecto “Arma X”, uma experiência que tinha como objectivo cobrir os seus ossos com um metal indestrutível de nome adamantium, tornando-o inquebrável. Durante este processo as suas memórias foram manipuladas tornando o seu passado um completo mistério, inclusive para o próprio. Sabe-se porém, que é muito mais velho do que aparenta, fruto do seu factor de cura capaz de lhe retardar o envelhecimento e que combateu na Segunda Guerra Mundial ao lado do Capitão América.
O resto do texto continua no comentário à "Origem" o livro que conta finalmente o passado desta personagem.




Daredevil



Criado em 1964 por Stan Lee e Bill Everett.
Na sua primeira aparição usava um fato amarelo e vermelho, mas não demorou muito até que o amarelo desaparecesse por completo.
Se Batman é o Dark Knight da DC Comics, Daredevil é sem dúvida o Dark Knight da Marvel. Apesar de depois ter surgido o Moon Knight muito mais similar ao Batman e também ele um cavaleiro negro (apesar do fato branco). Já comparei Daredevil a Batman aqui.
O seu pai foi assassinado quando ele ainda era uma criança e após terminar o curso de direito, torna-se um vingador nocturno com a missão de proteger a sua cidade do crime.
Em termos atléticos não pussui nenhum super poder, é apenas um homem sozinho a lutar por um mundo melhor. Mas dizer que Daredevil, não pussui nenhum poder é completamente errado.
Certo dia ao salvar um homem cego de ser atropelado por um camião, uma substância radioactiva atinge-lhe os olhos cegando-o. Como é normal acontecer quando se perde a visão, os restantes sentidos tentam compensar aumentando a sua sensibilidade. Mas algo mais mudou na vida de Matt, graças aos compostos radioactivos do líquido que o cegou, ele ganhou um "sentido radar", que lhe permite "ver".
Este sentido funciona como um sonar similar à ecolocalização utilizada pelos morcegos.





Spirit


Denny Colt é o famoso detective, que se tornou no herói de fato azul, conhecido por The Spirit e que saiu da mente do grande autor/desenhador de BD que foi Will Eisner.
Na primeira história Colt é dado como morto, uma noticia que se virá a descobrir posteriormente ser extremamente exagerada. Na realidade Colt foi colocado em animação suspensa a mando do seu arqui-inimigo, o Dr. Cobra e quando conseguiu acordar decidiu manter as notícias da sua morte e assumiu uma nova identidade a do vigilante Spirit.
Denny acabaria por contar o seu segredo ao comissário Dolan, antigo amigo seu e com quem iria trabalhar em conjunto.
Uma das coisas por qual Spirit é bem conhecido são as inúmeras mulheres sensuais que preenchem o seu mundo. Femme fatales que o ajudam ou que o tentam seduzir para o lado negro, realmente não interessa, pois há para todos os gostos
Spirit não tem qualquer tipo de poderes, nem sequer um arsenal invejável como o de Batman ou até mesmo Punisher. É apenas um homem mascarado que usa os seus dotes de detective e lutador para defender a sua cidade, Central City. Isto foi uma das grandes mudanças na adaptação cinematográfica de Frak Miller em que este, deu a Spirit um facto de cura. Em relação a isso vou citar Frank Lovece: "Worst of all, the Spirit now has a superpower - a healing factor. Eisner's own spirit must be spinning in its grave." [1]
Quanto a mim tinha ficado satisfeito se o filme fosse bom, o que não é. Miller filmou-o usando técnicas similares às usadas em Sin City, uma escolhas que me ultrapassa pois estéticamente Spirit não tem nada a ver com Sin City. Mas idependentemente de estéticas e poderes no fundo resume-se tudo a uma má história e isso sim é que é o mais triste.





The Joker



Tirado do meu top de vilões de Batman:
Nenhum vilão teve tanto impacto na vida do homem morcego, como o Joker, foi ele o responsável pela morte do seu protegido Jason Todd (2º Robin), o único acto de qual Batman nunca recuperou e o atormenta ainda hoje. O Joker também foi o responsável por colocar Barbara Gordon (Batgirl) numa cadeira de rodas no livro “The Killing Joke”, uma brilhante estória de Alan Moore, em que este cria uma possível origem para este personagem, sendo considerado por muitos como a verdadeira. Mas a realidade é que o próprio Joker não tem a certeza do que lhe aconteceu e várias vezes as suas recordações são diferentes, e este foi um toque de génio da parte de Moore ao escrever a estória.
Imaginem a insanidade mental encarnada em uma pessoa e têm o Joker, a personagem mais louca desta saga e mais divertida também, o seu olhar transpira loucura e frieza e o seu riso é agoniante e assustador. Grant Morrison fez uma das melhores utilizações desta personagem em “Arkham Asylum”, em que o desenho sombrio de Dave Mckean contribui em muito para esta imagem do Joker.
Se Batman é o Yin, Joker é o Yang, um é o oposto do outro, e mesmo no meio desta loucura as personagens tocam-se. Muitos afirmam que o Joker só existe por causa do Batman, que sem ele não haveria Joker, e no “The Dark Knight Returns” de Frank Miller, a verdade é que após a reforma do homem morcego, este perde a vontade de continuar.
Um dos grandes momentos desta personagem é precisamente no livro de Miller quando este observa que o homem morcego voltou ao activo e um sorriso maquiavélico se esboça na sua cara. Outra grande cena deste personagem é no final de “The Killing Joke” que termina com os dois a rirem-se como loucos de uma anedota contada por Joker. E apesar de não ser um grande livro, vale a pena ler “ a death in the fammily” uma vez que é nesta estória que o Joker mata o Robin espancando-o brutalmente com um pé de cabra e deixando-o morrer numa explosão, em uma das cenas mais sádicas encontrada num livro do homem morcego.
1º aparição - Batman #1 (1940).
Livros Aconselhados – Arkham Asylum, The Dark Knight Returns, The Killing Joke, Black & White, The Long Halloween, The Dark Victory, Hush, A death in the fammily.




Spider Jerusalem



Antes de haver wikileaks, já havia Spider Jerusalem.
Da autoria de Warren Ellis e Darick Robertson este é o mensageiro da verdade que protagozina "Transmetropolitan".
Jerusalem é-nos apresentado como um jornalista/escritor exilado de tudo e todos, com um aspecto de eremita ostentando uma grande barba e cabelo (Alan Moore?).
Descobrimos que se encotnra nesta situação há 5 anos e que anda a evitar os seus editores que investiram na escrita de livros seus que, obviamente, ainda não viram a luz do dia.
Eventalmente vê-se obrigado a regressar. Rapa o cabelo (mostrando a aranha tatuada), corta a barba, coloca os seus óculos com uma lente vermelha e outra verde a relembrar os velhinhos óculos 3-D e toca a começar a procurar uma história.
Com este menino não esperem nada menos do que a verdade, nua e crua e doa a quem doer, Jerusalem faz disto um dos seus objectivos principais, o de revelar a verdade ao povo, um povo que ele tanto crítica e por vezes odeia.
Outra as suas características é que é um ávido consumidor de drogas e nada esquisito ou preconceituoso, Jerusalem experimenta de tudo.
Foi inpirado nos jornalistas radicais H. L. Mencken and Hunter S. Thompson (que surpresa). Sobre este último aconselho o delirante "Fear and Loathing in Las Vegas" de Terry Gilliam que é um espectáculo.





Ms. Marvel



Da autoria de Roy Thomas e Gene Colan, Carol Danvers era uma simples mulher que trabalhava na Força Aérea com o Dr. Walter Lawson (que se tratava na realidade do super herói Kree, Captain Marvel).
Passado vários anos ganhou super-poderes após a explosão de um equipamento de origem Kree (espécie alienígena). Assim passou a ter os poderes base de um herói do género do Superman, ou seja a capacidade de voar, super-força e velocidade e também invulnerabilidade além disto tem uma espécie de 7º sentido que a torna capaz de prever certos ataques. Ms. Marvel, passou por alguns grupos tais como os Defenders e os Avengers (onde se encontra de momento) e sofreu várias alterações a nível de poderes mudando inclusivé o seu nome de super-heroína para Binary e Warbird.
É graças a ela que Rogue tem os seus poderes. Esta mutante, como a maioria saberá, possui o poder de absorver temporariamente as memórias e poderes dos outros, mas quando o fez a Carol Danvers a absorção foi permanente.
Actualmente além dos poderes iniciais possui também a capacidade projeccionar e absorver energia (tal como electricidade). Quanto mais energia absorver mais a sua força fisica aumenta. Mas estas novas maravilhas a Rogue já não tem.

quinta-feira, dezembro 23, 2010

Torneio de Personagens de BD Norte-Americana - Grupo VII

Calvin

O nome Bill Waterson ficou para sempre associado ao dos grandes humoristas na BD graças ao seu trabalho desenvolvido em "Calvin & Hobbes".
Calvin, cujo nome vem do teólogo John Calvin, tem apenas 6 anos mas em certos assuntos está muito avançado na sua ideia além de ser dotado de uma imaginação invejável e que o transporta para os locais mais exóticos, culminando na criação de Hobbes um peluche de um tigre que se torna o seu companheiro de aventuras e melhor amigo.
Claro que Calvin não deixa de ser uma criança e é esse lado infantil misturado com o seu lado mais adulto que o tornam uma das personagens mais fascinantes deste género. Adulto no sentido em que Calvin possui uma inteligência e cultura muito acima dos da sua idade, apesar de ser uma nódoa na escola (os grandes génios costumavam ser) usando muitas vezes a sua inteligência e humor para criticar e tentar subverter o sistema escolar.
O desenho e texto foram sempre e na sua totalidade da autoria de Bill Waterson.







Storm


Foi criada por Len Wein e Dave Cockrum é uma das primeiras grandes super-heroínas da Marvel. Os X-Men na altura em que surgiram destacavam-se por várias razões, os seus membros nem sempre lidavam bem com os seus poderes, o Beast tornou-se num monstro azul, o Cyclops teve um problema biológico que o impedia de controlar o seu poder, A Rogue também nunca o conseguiu controlar. Havia aqui um lado muito humano nestas personagens que tal como nós também falham e também são imperfeitas, a Storm por exemplo tinha o fantástico poder de controlar o tempo mas se a fechassem num espaço pequeno perdia as estribeiras, pois sofre de claustrofobia.
Outro aspecto muito importante deste grupo é que a certa altura começou a dar muito destaque às mulheres. Neste mundo dos super-heróis o homem era sempre priveligiado mas aqui começavam a surgir mulheres com uma personalidade muito forte e vincada e Storm foi sem dúvida uma das mais importantes mulheres a passar por este grupo de mutante.
A sua mãe era uma princesa no Quénia mas mudou-se para Harlem na América por amor. Quando regressam a África, desta vez ao Egipto, são violentamente atacadas e a sua mãe perde a vida enquanto ela fica enterrada pelos destroços resultantes do ataque, é aqui que desenvolve o seu pãnico por espaços fechados. Depois acaba por sobreviver como ladra até ser encontrada pelo professor Xavier.
O seu nome é Oronro Monroe, já foi a 2º no comando dos X-Men, já foi a líder dos Morlocks e hoje é Ororo T'Challa, esposa de Black Panther e rainha de Wakanda.





Constantine

John Constantine é o protagonista de “Hellblazer” a mais famosa série de BD da Vertigo. Esta personagem foi criada por Alan Moore em 1985 no número 37 de “Swamp Thing”. Um aspecto engraçado é a sua semelhança com o músico Sting, característica que se deve ao facto de Stephen R. Bissette e John Totleben serem grandes fãs de The Police e os responsáveis pela criação da sua imagem na altura.
Constantine é uma espécie de mago do oculto moderno, sempre de cigarro na boca, desenrascado e claro extremamente convencido e mal-educado. Com tantas qualidades não é de estranhar que tenha conquistado a atenção de muitos e cedo se tornou evidente que era uma personagem com estofo para ter o seu próprio título, o que aconteceu eventualmente em 1988 o ano em que “Hellblazer” nasceu.
Um bom livro para ter uma ideia do tipo de histórias que fazem parte desta série é o "Ruas de Londres" pois trata-se de uma compilação que reúne vários tipos de histórias diferentes deste senhor. Desde Neil Gaiman a Warren Ellis e Garth Ennis e claro Jaimie Delano o primeiro a escrever Hellblazer.
Existe um filme onde usaram o nome da personagem como título e este é interpretado por Keanu Reeves. O filme foi muito rapidamente esquecido e percebe-se porquê, falta-lhe o charme e carisma das histórias da BD.
Uma das histórias citadas como influência na construção do filme foi "All His Engines" de Mike Carey e Leonardo Manco. Nela Constantine viaja até à América, os criadores do filme devem ter gostado tanto da ideia que eliminaram o facto de ele ser inglês.





Sir William Gull



Neste caso vou começar por fazer referência ao filme "From Hell" protagonizado por Johnny Depp e que consiste na adaptação da BD do mesmo nome que desenvolve a história de um dos maiores assassino em série da História, o infame Jack o Estripador.
Não acho o filme seja mau, o problema é que acaba por não ser bom também. Comecei por falar dele antes da BD por causa da sua abordagem à história, bastante diferente da do livro, criando um mistério que só será descoberto no final. No livro este mistério não existe, mas se alguém tiver intenções em ver o filme primeiro não avance mais neste texto.

"From Hell" é da autoria de Alan Moore e Eddie Campbell. Como já referi é um livro que se debruça sobre a história do Jack o Estripador, cuja identidade nunca foi descoberta na realidade.
Após os homícidos de Whitechapel, muito se especulou sobre a identidade de Jack e uma panóplia de suspeitos foi sendo criada desde aí. Muitos estudiosos analisaram minuciosamente vários detalhes e procuraram descobrir a veracidade de outros tantos rumores.
Alan Moore e Ed Campbell mergulharam a fundo na História a fim de conseguir criar com o maior sentimento possível de genuinidade a história deste mítico assassino, mostrando o homem que era e o porquê das suas acções. Moore acabaria por pegar na premissa de Stephen Knight que associa Jack a Sir William Gull.
Ao contrário do filme, no livro sabemos logo a início que Gull vai ser o Estripador, tal não pretende ser motivo de suspense, porque a premissa em si não é nova e porque a ideia é contar a história de Jack, mostrar como tudo começou e acabou, algo que o filme nos priva e algo que é um dos melhores aspectos desta terrífica história.
Todo o 2º capítulo, por exemplo, é dedicado a Gull mostrando-nos o seu percurso desde a infância até se ter tornado num conceituado médico e membro da maçonaria. É através dos maçons que Gull irá servir directamente a rainha Victoria de Inglaterra, facto que mudará para sempre a sua vida.
"From Hell" é o livro que estou a ler neste momento, e ou o final vai estragar tudo (o que dificilmente acontecerá) ou estou perante uma das maiores obras que li na vida, cada capítulo é magistral com um pormenor e detalhe como só Moore sabe escrever.
Sir William Gull é assim a outra personagem que foi baseada em alguém real. Neste caso por muito que os autores tenham pesquisado (e fizeram-no), este Gull será sempre em termos de personalidade uma personagem de ficção criada a partir de toda a informação que se recolheu e especulou sobre ele.
Mas fica prometido que falarei deste livro no blog.





Red Sonja

Da autoria de Roy Thomas e Barry Windsor-Smith, Red Sonja é uma guerreira destemida que teve a sua primeira aparição no comic da Marvel de Conan The Barbarian. O que me lembra que achei curioso Red Sonja estar nomeada e Conan não (chegou a ser mas depois foi trocado).
Aos 17 anos viu a sua família inteira ser chacinada e como se não bastasse foi violada compulsivamente pelos mesmos guerreiros. Jurando vingança, a deusa Scáthach manifestou-se e concedeu-lhe a mestria no manejo de armas mas com a condição de ela apenas ter sexo com homens que foram capazes de a derrotar (não vale atirar as armas ao chão).
A partir daqui seria uma questão de tempo até conquistar o título de mulher mais temível e bela de Hyrkania.
A personagem foi baseada na Red Sonya of Rogatino de "The Shadow of the Vulture" uma história da autoria de Robert E. Howard.
Posteriormente uma das suas descendentes irá utilizar o seu nome, sobre ela também há aventuras em BD.
Red Sonja foi talvez a primeira guerreira a utilizar os belos biquínis de cota de malha, a armadura que só protege as zonas mais importantes.
Existe um filme de 1982 sobre Red Sonja que conta com a participação de Arnold Schwarzenegger, que volta a interpretar pela 3º vez Conan.
Muito se tem falado sobre uma nova adaptação mas que se tem adiado. As últimas notícias que tenho é que sairá em 2011 e contará com Rose McGowan no papel de Red Sonja.

Torneio de Personagens de BD Norte-Americana - Grupo VI

Booster Gold



Michael Jon Carter é oriundo do séc. XXV. Um rapaz pobre mas com dotes para o futebol americano, graças aos quais ganhou uma bolsa de estudos numa Universidade em Gotham City. Rapidamente atingiu sucesso, mas devido à influência do seu pai começou a envolver-se no mundo das apostas, perdendo de propósito. Quando foi descoberto, foi obviamente expulso.
Mal ele sabia que a sua vida estava prestes a dar uma volta de 180º quando aceitou o cardo de segurança nocturno no museu espacial de Metropolis, pois foi aqui que ele conheceu o robot Skeets. Com a sua ajuda começou a estudar os super-heróis do séc. XX e usando uma máquina do tempo em exposição viajou para o passado.
Com a ajuda de tecnologia do futuro tornou-se o super-herói Booster Gold, mas ao contrário da maior parte dos heróis, este tem o objectivo de alcançar fama, sucesso e dinheiro.
Booster Gold começa então a sua carreira de herói como um oportunista e graças ao conhecimento que tem do passado rapidamente começa a dar nas vistas e a construir o seu grande império. Eventualmente o personagem vai amadurecendo ao longo das histórias e a morte da sua irmã (que lhe seguiu as pisadas viajando também para o passado) foi um dos eventos que contribuiu para isso.
No final dos anos 80 iria ser uma nova aquisição da Justice League of America (JLA), onde conhece Ted Kord (Blue Beetle) aquele que viria a ser o seu melhor amigo. Os dois personagens funcionavam bem juntos e rapidamente se tornaram uma dupla de sucesso na JLA.
Este foi um dos heróis que lutou contra Doomsday e foi severamente espancado. O seu fato (que é o segredo dos seus poderes) foi totalmente destruído e a sua carreira de super-herói abalada. Ted Kord que era um géniozinho ajudou-o neste campo com um novo fato mas ainda assim muito longe da tecnologia do séc. XXV.
Actualmente penso que ele já voltou a ter um fato ao nível do original.
Foi criado por Dan Jurgens.




Vladek Spiegelman



Penso que a melhor maneira de falar de Vladek Spiegelman será começando a falar do livro em questão. MAUS é um dos livros mais conhecidos de BD, onde para isso certamente contribuiu a sua tématica (II Guerra Mundial) e o facto de ter vencido o prémio Pullitzer.
"MAUS" é da autoria de Art Spiegelman e narra a verdadeira história do seu pai, um sobrevivente do holocausto, durante o período da II guerra mundial. Um factor curioso foi que o autor optou não só por contar o passado do pai mas também todo o processo que envolveu as suas conversas com ele.
Outro aspecto muito interessante foi a forma como Art Spiegelman optou por contar a história, ou seja, através do uso de animais antropomórficos, onde diferentes animais representam diferentes povos, tratando-se no fundo de uma grande metáfora que serve para criticar a divisão das pessoas por diferentes categorias, mas penso que também como uma alegoria, pois os judeus são retratados por ratos e os alemães por gatos, uma escolha de animais nada inocente.
Vladek Spiegelman é assim o primeiro personagem deste torneio a ser baseado em alguém real, não é o único, mas é garantidamente, em termos de personalidade, aquele cujo retrato é mais fiél à pessoa que verdadeiramente existiu.
Ele foi um homem muito peculiar e com uma vida que merece ser conhecida. Era uma pessoa muito desenrascada e de rápido raciocinio o que contribuiu garantidamente para a sua sobrevivência, mas obviamente não podemos esquecer outro factor muito importante, a sorte. Pois para sobreviver nesta época como judeu, toda a inteligência e vontade de trabalhar não eram suficientes, se não estivesse já decidido no destino.
O Sr. Spiegelman pode não avançar mais no torneio, mas espero sinceramente que este nome não passe despercebido, a quem não leu fica aqui a sugestão desta belíssima obra que é "MAUS".



Cassidy




Cassidy pertence à obra "Preacher", uma daquelas pérolas de BD saídas da mente doentia de Garth Ennis e que nunca falei aqui, mas já o devia ter feito. "Preacher" dentro do género é do melhor que há. Conta a história de Jesse Custer um homem que recebe a entidade "Genesis", uma entidade que lhe concede o poder da "voz de Deus", ou seja, tudo que Jesse disser usando essa voz será cumprido, claro que ele nem sempre controla isto muito bem e quando lhe escapou um "Go fuck yourselv" a outra pessoa em questão cortou, literalmente, a pila e enfiou-a no rabo. Sim "Preacher" não é para todos os estômagos, mas para aqueles que aguentarem vão adorar.
Mas não divergindo mais, voltemos ao que mais interessa.
O irlandês, Proinsias Cassidy conhece, logo no início do livr, Jesse e a sua amiga Tulip acabando por embarcar nesta aventura que consiste em encontrar Deus para lhe pedir satisfações, uma vez que Deus pisgou-se do Céu deixando tudo ao "deus dará" e ninguém faz ideia de onde ele possa estar. Mas Cassidy não é um tipo comum, é um vampiro. Foi transformado em 1916 e decidiu mudar-se para a América, a fim de os seus familiares continuarem a pensar que está morto.
Ele é realmente uma figura, é das personagens mais engraçadas, o comic relief do trio e juntamente com Jesse faz uma dupla terrífica. Pois Jesse é alguém que acede aos seus apetites, é um rufia, um irresponsável e um boémio, dito isto, o que há para não adorar?
A título de curiosidade os seus caninos não crescem como na maior parte das caracterizações de um vampiro.





Destruction



Mais uma personagem saída da mente de Neil Gaiman e mais uma vez do Universo "The Sandman".
Normalmente as personagens mais populares desta obra-prima da BD são Morpheu, o protagonista, mas também a sua irmã mais velha, Death.
A imagem gótica e carinhosa de Death conquistou-nos a todos logo na sua primeira aparição e teve direito a dois livros dedicados apenas a ela, um dos quais já falei aqui.
O Destruction, ou Olethros, é também um dos 7 Endless e talvez não seja tão falado porque é dos que aparece menos ao longo da história. Todos os Endless são bastante interessantes, uns mais que outros obviamente e o Destruction é quanto a mim um dos melhores tendo-me cativado muito antes de ainda ter sequer aparecido. Assim de repente isto pode não fazer sentido, mas faz.
Quando os Endless se reúnem pela primeira vez apenas 6 comparecem. Destruction não está entre os presentes porque como já tinha sido referido é o "pródigo" aquele que abandonou o seu domínio. Abandonou e não abdicou. É importante salientar a diferença. porque terá sempre de existir uma personificação destes 7 domínios se Destruction simplesmente abdicasse do seu outro ser iria assumir este cargo e Destruction não quer isso, não quer que haja alguém a executar esta tarefa então escolhe por simplesmente ir embora, cortando ligações com os seus irmãos e o seu domínio. A destruição irá continuar a aparecer ele simplesmente deixará de fazer parte dela, como ele próprio diz a Morpheus a dada altura, as pessoas continuarão a sonhar mesmo que ele não esteja lá. Destruction e Morpheus são dos irmãos daqueles que têm visões mais distintas de como actuar nestes domínios, pois Morpheus ao contrário do irmão é muito dedicado ao seu.
Desde que abandonou o seu domínio tem-se dedicado precisamente ao oposto daquilo que simboliza, a criação. Poeta, pintor, este é o Destruction dos dias de hoje, acompanhado pelo seu, sempre espirituoso, cão, Barnabas.




Doctor Manhattan




Após um acidente de laboratório Jon Osterman "morreu" para dar lugar a Manhattan um ser extraordinário com a capacidade de manipular matéria ao nível atómico sendo virtualmente capaz de criar tudo.
A sua existência alterou profundamente o percurso da História, os USA venceriam a guerra do Vietname e Nixon manter-se-ia na presidência ao longo de vários mandatos. A América desenvolver-se-ia então num país diferente daquele que hoje conhecemos e é nesta versão alterada da América que "Watchmen" se desenrola.
A personagem da Alan Moore e Dave Gibbons foi baseada, há semelhança dos restantes, num personagem oriundo da Charlton Comics, neste caso o grande Captain Atom (Allen Adam).
Atom também teve de se "reconstruir" após um acidente onde ganhou poderes, no seu caso foi devastado pela explosão de um foguetão. A sua imagem de marca são os seus poderes nucleares, algo que Moore considerou em explorar inicialmente (uma pessoa fica a pensar se o caminho que era para seguir não seria similar ao seguido no filme). Eventualmente Moore não o pôde usar e criou o Dr Manhattan decidindo também abordar o personagem de forma diferente, mergulhando não só no mundo da fisica nuclear, mas também no da física quântica.
Atom também era capaz de manipular matéria a nível atómico, mas de uma forma bastante rudimentar, já Manhattan consegue fazê-lo a um nível divino. Manhattan tornou-se assim a personagem mais complexa do universo "Watchmen". O capítulo que lhe é dedicado é estrondoso, nele observamos a sua evolução desde o tempo em que foi humano até ali, um ser com uma percepção do mundo completamente distinta de todos nós.
Já agora, houve um segundo Captain Atom, Nathaniel Adam. Esta segunda versão penso ter ido beber ao Manhattan que tinha ido beber ao Atom original. Se lerem o Captain Atom actual vão ver que o personagem se debruça mais sobre a física quântica e que fisicamente tem uma pele metálica que não sendo a de Manhattan nos remete mais para ele do que o original. Claro que não é tão poderoso como Manhattan, porque se fosse não havia histórias para ele, mas é ainda assim uma força a ser reconhecida e que é muitas vezes subestimada.

terça-feira, dezembro 21, 2010

5 anos de Alternative Prison


Este blog fez ontem 5 anos (O QUÊ???).
Não costumo anunciar o aniversário até porque me esqueço, como voltou a acontecer, mas 5 anos merecem pelo menos uma frase, afinal são 5 anos de parvoíce, 5 anos em que este cantinho me acompanha.

Começou com 4 membros mas rapidamente fiquei só eu. Nem sei bem definir o que é este blog, é apenas um local para eu partilhar os meus gostos e devaneios.

Obrigado a todos os que me acompanham nestas andanças.

Torneio de Personagens de BD Norte-Americana - Grupo V

Felix The Cat


O gato Felix ao contrário dos restantes personagens, foi criado no mundo da animação e só depois surgiu no da BD. Teve a sua primeira aparição em 1919, numa altura em que o som ainda não acompanhava os filmes.
Não se sabe exactamente se o seu criador foi o Australiano Pat Sullivan (o primeiro a ter os direitos do personagem) ou o Americano Otto Messmer (o animador principal de Felix).
Passado 4 anos quando Felix era já uma referência na animação, iria tentar conquistar o mundo das tiras cómicas, desenhadas também por Messmer. Por acaso penso que a primeira tira saiu uns meses primeiro na Inglaterra do que na América, mas o sindicato a que pertencia é Americano e a sua primeira aparição foi num filme da Paramount Pictures e por isso trata-se sem dúvida alguma de uma personagem Norte-Americana.
A personagem foi perdendo sucesso quando começaram a surgir animações com som no final dos anos 20, nomeadamente as de um rato que dá pelo nome de Mickey. Walt Disney viria a conquistar uma grande fatia do mundo da animação ofuscando várias outras produções, para o beme para o mal. Devido a esta descida da popularida filmes com som foram feitos do Felix, mas nunca revitalizaram a personagem como dantes.
Ainda assim a sua influência é indescutível. Bandas de Jazz criaram canções sobre ele, tais como "Felix Kept On Walking" e foi adoptado como mascote por várias entidades entre as quais por um negociante da Chevrolet, pelo "U.S. Navy's Bombing Squadron Two" ou por a banda punk "The Queers".
Para terminar deixo aquela que penso ser a sua primeira tira:







Vampirella



Foi criada por Forrest J. Ackerman e desenvolvida por Archie Goodwin, FRank Frazetta e Tom Sutton.
Como o próprio nome indica estamos a falar de uma vampira. Ao contrário dos mitos tradicionais, estes vampiros não são oriundos da Terra, mas antes do planeta Draculon (quem sabe do mesmo planeta da malta do "Rocky Horror Picture Show"). Aqui temos mais uma prova do quanto a obra de Bram Stoker influenciou o mito, afinal Drácula vem do conde Vlad III que é um terráqueo. Continuando, o povo de Vampirella está a morrer devido a escassez de sangue. Certo dia quando uma nave Terrestre aterra em Draculon ela é atacada pelos seus tripulantes e derrotando-os consegue pilotar a nave até à Terra em busca de uma forma de salvar o seu povo.
Mas não pensem mal da rapariga, Vampirella torna-se uma heroína ao chegar ao nosso planeta e será uma das suas maiores acérrimas defensoras.
Os seus poderes vampíricos, contêm super-força e velocidade, aquele olhar que hipnotiza a malta (que deve ter algo a ver com o seu fato quase de certeza) e tranforma-se ainda em morcego. Quanto às fraquezas não há, como ela vem de outro planeta os artefactos cristãos não fariam muito sentido e a fraqueza à luz sola não está na origem do personagem também.
Deixo-vos um desenho desta rapariga feito pelo artista Esteban Maroto, um dos muitos que desenhou a personagem:








Bomb Queen

Esta personagem ainda é uma bebé no que toca a anos de existência. Foi criada por Jimmie Robinson para a Image Comics e teve a sua primeira aparição em 2006.
A sua história decorre na cidade de New Port. Antigamente Bomb Queen pertencia a um grupo de super-vilãs chamado "The Four Queens" que governavam a cidade e tinham o objectivo de a eliminar de todos os seus super-heróis. Quando o objectivo foi alcançado o grupo traiu-se e foi Bomb Queen aquela que saiu vitoriosa.
Em New Port é proíbida a actividade de super-heróis tornando-se um local muito procurado por criminosos. Graças à lavagem de dinheiro tornou-se uma cidade muito próspera e sem qualquer tipo de pudor no material que é destribuído nos diversos meios de comunicação, que incluem filmes pornográficos da própria ditadora desta cidade. Eu não leio esta BD mas durante a minha curta pesquisa deu para ver que a BD não tem problemas em actuar no campo do sexualmente explícito.
Um dos seus maiores talentos é ser uma especialista com bombas, algo bastante óbvio já que tem duas no peito. Algo me diz que ela não foi nomeada pelos seus dotes de personalidade, mas posso estar errado.





Colossus



Piotr Nikolaievitch Rasputin é o Russo mais conhecido do mundo dos super-heróis. Foi criado nos anos 70 por Len Wein e Dave Cockrum para integrar no grupo de mutantes mais amado, os X-Men.
Os poderes de super-força e invulnerabilidade já tinham sido amplamente explorados, mas foram desenvolvidos nesta personagem de uma forma muito original e que tem vindo a ser utilizada daqui para a frente. Piotr tem a capacidade de cobrir a sua pele de metal tornando-o virtualmente indestrutível e dotando-o de uma força hercúlea.
Colossus é sem dúvida um dos pesos pesados da Marvel no que toca a força física. Dentro deste género de personagens onde o Hulk se encontra no topo, Colossus está logo abaixo a par dos grandes como "The Thing" do Fantastic Four. A sua versão Ultimate consegue ainda ser mais forte tornando os seus actos ainda mais impressionantes, como por exemplo o porradão que deu no Thor. Mas para ser justo a versão Ultimate do Thor é substancialmente mais fraca do que a clássica. Se fosse esse Thor isto jamais aconteceria, mas também Thor está noutra liga tem mais do que força e resitência do seu lado, tem magia.
Outra curiosidade é que na sua versão Ultimate, Colossus é gay e está numa relação com "Northstar".
Um grande momento para todos os fãs de BD em geral e do Colossus em particular, foi a sua primeira aparição no cinema em "X2" são meros segundos, pois a cena em questão foi caríssima, mas chegaram para deslumbrar pois está absolutamente fantástica. Colossus regressaria no "X-Men 3" mas não com a mesma tecnologia e também, apesar de ser considerávelmente mais, com pouco tempo de antena. Mas este último deixou muito a desejar, vamos é relembrar esta grande cena que foi a sua~transformação em "X2":





Spider-Man



Nem os trajes apertados da Vampirella ou da Bomb Queen foram suficientes para parar o fenómeno que é este aracnídeo. Desde o início que ele se tem destacado dos outros membros do grupo e apesar de ainda faltarem três dias é garantido que ele será o vencedor.
Foi criado por Stan Lee e Steve Ditko, dois dos grandes criadores de super-heróis da altura, e surgiu pela primeira vez em 1962 no número 15 do comic "Amazing Fantasy".
Toda a gente sabe de cor a história do jovem Peter Parker que ao ser mordido por uma aranha radioactiva ganhou super-poderes, mais especifcamente poderes relacionados com as aranhas, tais como a capacidade de se "colar" às paredes, força e agilidade poporcionais e o meu preferido o "sensor Aranha" que o alerta para qualquer perigo. Sendo um estudante brilhante foi capaz de criar um polímero que usa como teia.
O seu início como Spider-Man foi muito trágico, primeiro perdeu a vida do seu Tio que foi assassinado por um criminoso que Peter não tinha impedido, pois nesta altura as suas preocupações eram a fama e sucesso que nunca na vida tinha tido. Este foi um evento importantíssimo na sua vida, pois tornou-o no super-herói que hoje é. Outra tragédia foi a morte da sua primeira namorada e grande amor, Gwen Stacy. Stacy foi atirada de uma ponte pelo Duende Verde e a única forma que Peter tinha de a salvar era apanhando-a coma sua teia. Infelizmente ao ser parada pela teia partiu o pescoço (leis da fisica aplicadas na BD, a ousadia). Mesmo não havendo outra forma de a ter salvo, a "culpa" da sua morte pesou muito na consciência do Aranha. Sobre isto conselho a leitura do "Spider-Man Blue" onde Peter recorda Gwen Stacy antes da sua morte, uma história bem bonita e da qual já falei aqui.Uma das suas melhores características e grande imagem de marca é o seu sentido-de-humor. Por mais porrada que esteja a levar é impossível fazer parar a sua boca de mexer:


domingo, dezembro 19, 2010

Torneio de Personagens de BD Norte-Americana - Grupo IV

Elijha Snow

Snow é membro da organização que dá pelo nome de "Planetary", organização esta que dá nome à BD em questão.
"Planetary" é daquelas que está na lista, mas infelizmente ainda não foi adquirida. Para a querer ler não foi preciso conhecer nada mais do que o nome do escritor: Warren Ellis. Este senhor juntamente com Garth Ennis é uma espécie de cavaleiro do Apocalipse da BD, absolutamente delirante.
Mas voltando a "Planetary", este grupo auto-intitula-se como um grupo de "Arqueólogos do impossível". Que têm por objectivo descobrir os maiores segredos da História, quiçá uma espécide de Indiana Jones' com super-poderes.
Como já deu para perceber Snow é um dos membros desta equipa. Um homem misterioso com um passado desconhecido pela maioria. Sabe-se, no entanto, que faz parte de um grupo de pessoas que nasceram todas ao mesmo tempo e que por alguma razão são especiais. Ellis iria, mais tarde, explorar novamente esta premissa na BD "Freakangels" que pode ser lida online aqui.
Gosto muito do poder desta personagem, pois sempre foi um dos que mais agradou. Ele tem a capacidade de baixar a temperatura/absorver o calor, congelando tudo à sua volta. Além disso tem um grande estilo a fazê-lo como por exemplo quando congela os fluídos no cérebro de alguém.




Snow White




Parece que temos os dois Snow's a combater logo no início. Snow White é uma das personagens principais da BD "Fables", de Bill Willingham, que conta as aventuras de inúmeras personagens de fábulas e contos de fadas, tão bem conhecidas por nós todos, tais como esta branca de neve, mas também o lobo mau, ou a bela e o monstro, entre muitas mais.
Acho a ideia desta saga muito engraçada e cativante e mereço um par de estalos por ainda não a ter lido. Mas isto com o tempo vai lá. Por acaso já tenho um livro na estante o
"1001 Nights of Snowfall" que não li porque ainda não tinha o primeiro volume, mas pelo que percebi agora, esta história decorre antes, por isso já posso ir devorá-lo.
A história de Snow White nesta saga é inspirada no bem conhecido "Branca de Neve e os Sete Anões", mas também em "Branca de Neve e Rosa Vermelha".
Imortal, descrita como inteligente, sarcástica e por vezes "Fria", mantém uma relação amorosa com, Bigby que é, nada mais nada menos, do que o clássico Lobo Mau que aqui tem o poder de se tranformar em humano, uma espécie de lobisomem ao contrário.
Para terminar deixo o desenho que a Tara Mcpherson me fez no já mencionado "1001 Nights of Snowfall". Não é a Snow White mas é "Fables":





Blue Beetle



Ainda bem que escolheram o Ted Kord, pois foram pelo menos 3 personagens a usar o manto de "Blue Beetle" até agora. Digo ainda bem porque do Ted já tenho um texto que escrevi quando o comparei ao "Nite Owl II" de "Watchmen", pois é de Ted que este bebe influências. Podem ver o texto aqui, também faço uma curta menção aos outros Beetles.
Ao contrário do seu antecessor, Theodore "Ted" Kord não tem qualquer tipo de poderes como Blue Beetle, mas compensa essa falta com a sua acrobacia e génio. Psicologicamente e na forma como luta este herói recorda-nos por vezes o Spiderman, algo que não é de estranhar quando sabemos que o seu criador, Steve Ditko foi também o co-criador do aranhiço. Esta personagem pertencia inicialmente à editora, Charlton Comics que acabaria por ser adquirida pela DC Comics em 1985. De forma a introduzir os personagens da antiga editora no seu Universo, a DC aproveitou o seu mega evento "Crisis on Infinite Earths". O futuro deste Blue Beetle na nova editora seria maioritariamente passado, na "Liga da Justiça", o grupo de super heróis ao qual viria a aliar-se. Um dos momentos mais críticos da sua carreira foi durante a BD "Death Of Superman", onde quase perde a vida ao lutar contra o terrífico Doomsday. Ao recuperar do coma em que havia sido deixado, Ted consegue assim assegurar mais uns bons anos de vida na BD, mas o dia da sua morte era iminente e acabaria por acontecer na saga "Countdown to Infinite Crisis" durante a qual é capturado e executado, enquanto tentava desvendar informações sobre a organização de Maxwell Lord. O seu melhor amigo, Booster Gold juntamente com outros heróis, consegue viajar atrás no tempo para salvar Ted, no entanto este não concorda com a decisão e viaja novamente no tempo para se certificar que morre.





Snoopy


O Snoopy é um dos personagens que faz parte das tiras cómicas "Peanuts" da autoria de Charles M. Schulz e teve a sua primeira aparição em 1950.
Foi das personagens que mais evoluiu ao longo das tiras e é hoje em dia a "cara" de "Peanuts". Quantas pessoas existem que não fazem ideia do que é "Peanuts"? mas se dissermos o nome de Snoopy, pára logo tudo! porque todos sabem quem ele é e até usam o seu nome para apelidar estas tiras.
Quase que foi apelidado de "Sniffy", mas como o nome já estava a ser usado em outra personagem acabou por ficar "Snoopy" esse nome que é hoje em dia sinónimo de estilo e pinta. Afinal de contas haverá cão com mais estilo que Snoopy? que dorme em cima do telhado da sua casota e convive com humanos com mais pinta que os próprios, o que lhe valeu a alcunha de "Joe Cool"? Bem me parecia, Snoopy é o maior.
Snoopy é tambem um estrondoso jogador de Baseball que ofusca qualquer um na equipa do seu dono Charlie Brown.
Ele tem tantas qualidades, tantos alter-egos de sucesso que uma pessoa questiona-se se há algo que que ele não é capaz? E muito provavelmente, a resposta é um enorme NÃO!








Spawn


Estava à espera que esta personagem fosse dos primeiros a ser nomeado, mas quase que não entrou na competição, foi mesmo das últimas a ser nomeada.
Na altura em que saiu foi a loucura, Todd Mcfarlane tinha saído da Marvel e criado a Image lançando "Spawn" um super-herói saído dos confis do inferno e que rapidamente conquistou um enorme leque de fãs. Hoje em dia é capaz de ter caído mais no esquecimento, pois verdade seja dita, já não ouço falar tanto dele.
Albert "Al" Francis Simmons era membro de uma unidade especial do CIA e uma máquina de matar. Durante uma missão no Botswana foi assassinado às ordens do seu director, um safado de um traidor. Como Simmons não se portava bem não recebia prendas do Pai Natal e acabou mesmo por ir para o inferno quando morreu.
A fim de regressar para a sua mulher e filhos faz um acordo com o diabo. Neste acordo Simmons regressaria como um HellSpawn com a missão de matar os melhores criminosos do mundo, pois o inferno estava a preparar-se para uma guerra e precisava de bons homens na sua equipa.
Claro que estamos a falar do diabo e por isso apesar de ele cumprir o acordo e trazer de volta Simmos, apaga-lhe também parte da memória e ressuscita-o num corpo diferente e desfigurado. Além disso quando Simmons usa os seus poderes mágicos para se tornar humano só consegue assumir a forma de um loiraço branco, algo que o diabo fez para gozar com ele, tendo sido Simmons negro, quando vivo.
Uma questão importante é que se ele esgotar os seus poderes mágicos o diabo fica-lhe com a alma.
Mcfarlane deve ter gostado muito da ideia por detrás de Venom (foi seu co-criador), mais especificamente do fato alienigena com vida, pois Spawn possui também um fato vivo, um fato infernal que contém grande poder e é visualmente estonteante.
Existe também um filme do herói num estilo de série B e que acho que vale a pena espreitar, nem que seja para ver John Leguizamo a interpretar o Violator, o primeiro grande inimigo de Simmons. Mas bom bom é mesmo a banda sonora deste filme, que junta bandas de rock com de electrónica, resultando em algumas verdadeiras maravilhas (Morphine & Apollo Four Forty; Marilyn Manson & The Sneaker Pimps; Silverchair & Vitro).
Deixo aqui a primeira imagem que me marcou em Spawn. É a última página do seu primeiro arco. É sobre o primeiro homem que ele mata como Spawn, um pedófilo que usava uma carrinha de gelados para atrair as crianças. Não vemos como ele é apanhado nem morto, e não precisamos, esta página apenas mostra o cadáver a ser encontrado pela polícia e diz tudo o que precisamos saber, um momento fantástico:


sexta-feira, dezembro 17, 2010

Torneio de Personagens de BD Norte-Americana - Grupo III

Dream

São muitos os nomes porque é conhecido: Dream, Oneiros, Kai'ckul, Sandman, ou simplesmente Morpheus. Ele é o senhor dos sonhos, um dos Endless que existem desde os primórdios dos tempos. Enquanto houver vida, há sonho e enquanto houver sonho haverá um Sandman.
Antes de continuar penso que vale a pena referir quem são os Endless. Estamos a falar de 7 seres que personificam 7 aspectos da vida, todos começados pela letra D (em inglês). Por ordem de criação temos: Destiny (porque tudo está traçado de início); Death; Dream ("o homem quando nasce tem primeiro a possibilidade de morrer do que de sonhar); Destruction; Desire; Despair e Delight (que mais tarde se tornaria em Delirium).
Esta história tem início com a captura de Morpheus por parte de uns magos que procuravam encarcerar a sua irmã mais velha, a Morte. Quando Morpheus se conseguiu libertar, passados 70 anos, foi encontrar a sua dimensão do Sonho completamente devastada. É tempo de consertar as coisas, o que Morpheus não tem noção de imediato é que durante o tempo em que esteve preso, mudou. Podemos dizer que sempre se esforçou por ser relativamente justo na sua dimensão, mas ao longo da sua vida foi várias vezes cruel e egoista, está na altura de mudar isso.
"The Sandman" é uma das obras-primas da BD é sem dúvida alguma uma das sagas porque tenho mais carinho. São 10 livros compilados (ou 4 em formato Absolute) onde uma história está muito bem construída do início ao fim, aqui tudo é relevante. Ao longo do caminho são-nos mostradas também várias histórias ligadas aos sonhos e que não fazem necessáriamente parte da trama principal. Sei que como investimento custa, mas vale tanto a pena, eu nunca me canso de dar elogios a esta obra que saiu da mente de Neil Gaiman que foi desenhada por tantos e tantos artistas, entre os quais deixo os primeiros: Sam Kieth e Mike Dringenberg.
Desde o seu término ainda saíram mais dois livros, um deles em prosa/ilustrado que recentemente foi adaptado a BD (Dream Hunters) e o Endless Nights onde 7 desenhadores foram convidados para desenhar cada um uma história dedicada a um Endless diferente.
Para terminar se quiserem ler o comentário que fiz ao primeiro volume cliquem aqui (esta foi o meu primeiro comentário a um livro de BD).
Para terminar deixo-vos um pequeno vídeo onde podem ver Dave Mckean a desenhar o Morpheus, ele que foi o responsável por todas as capas da série.

video

Já agora o resultado final:







Superman


Kal-El é o super-herói que mais dispensa uma apresentação. Faz parte da nossa cultura popular, sendo talvez o personagem de BD mais conhecido em todo o mundo. Nunca, por exemplo, a morte de um super-herói foi tão anunciada no mundo. Aquela capa com o símbolo dele a escorrer como se de sangue se tratasse foi um marco.
Sobre ele já falei aqui duas vezes, uma quando o comparei ao Captain Marvel e outra ao Martian Manhunter.
O que me lembra que este é das personagens que mais deu origem a "clones", veja-se os já mencionados, Captain Marvel (Shazam) e o Martian Manhunter e a estes juntem-lhes o Gladiator, Supreme, Apollo, Mr. Majestica, etc, etc. Há um estereótipo de super-herói que segue as linhas do Super e isto é qualquer coisa.
Não foi dos personagens que mais li, as suas histórias não eram as que mais me interessavam, ainda assim quando dão liberdade para trabalharem o personagem, algumas maravilhas nascem, como por exemplo em "All Star Superman" ou no igualmente aclamado "Red Son" (se o Super tivesse nascido na URSS, apesar de este nunca ter lido não o podia deixar passar despercebido). Alan Moore também o escreveu e não passou despercebido, o seu "Whatever Happened to the Man of Tomorrow?" e "...For The Man Who Has Everything" são também considerados dos melhores livros do Homem de Aço. O segundo eu li e confirmo, vale muito a pena.
Usei o Superman numa brincadeira quando fiz o "top dos piores disfarces de um super herói". O azulão ficou em 2º lugar.
E alguma vez uma música esteve tão associada a um super-heróis como a excelente composição de John Williams? Eu que nunca liguei muito ao Superman sempre que ouvia este tema tremia.






Jeremy Duncan

Jeremy Duncan é o protagonista das tiras cómics "Zits" escritas por Jeremy Jerry Scott e desenhadas por Jim Borgman. Scott já era conhecido como cartunista pelas suas tiras "Baby Blues" onde escrevia e desenhadava. Quando decidiu enveredar pelos meandros da adolescência criou "Zits" e para isso contou com Borgman no desenho a fim de a obra conter um traço distinto, não remetendo os leitores para "Baby Blues".
Jeremy é um típico jovemd e 16 anos, quer estar com os amigos, quer engatar miúdas e muitas vezes não tem paciência para "aturar" os seus pais, principalmente no que toca a dúvidas informáticas. Além disto é um apaixonado por Rock, tendo como sonho seguir uma carreira neste género.
"Zits" pode não gozar de um reconhecimento tão grande como "Calvin & Hobbes", "Mafalda" ou "Peanuts", que além de serem colossos do género são também mais antigas, mas com o tempo tem vindo a conquistar cada vez mais leitores, sendo sem dúvida alguma, hoje em dia, das tiras mais conhecidas mundialmente.







Two-Face


Para falar deste vilão vou colocar aqui o texto que escrevi quando fiz o top vilões do Batman (que já merecia ser melhorado/actualizado).
Harvey Dent, era juntamente com Bruce Wayne e Jim Gordon um dos poucos Homens honestos em Gotham City, alguém que procurava justiça acima de tudo, Dent era o único procurador-geral com coragem para acusar a máfia e outros criminosos em Gotham City, quando os tempos eram mais obscuros e Batman ainda não existia.
Graças a estes três homens a criminalidade em Gotham desceu significantemente, eram justiceiros e acima de tudo amigos. No dia em que "Boss" Maroni estava a ser acusado em tribunal por Harvey Dent, este atirou-lhe com ácido, desfigurando-lhe metade da cara e despoletando uma dualidade na sua personalidade. Assim nasceu um dos vilões mais clássicos deste herói: Two-Face.
Batman sempre se culpabilizou pela perda de Dent para o outro lado, e apesar de lutarem constantemente um contra o outro, podemos sempre notar que a relação entre os dois é diferente da de qualquer outro vilão.
Ele usa uma moeda riscada de um lado, atirando-a ao ar sempre que precisa tomar uma decisão, a moeda tal como a sua cara é um símbolo da sua dualidade, aliás um dos maiores momentos entre estes dois, acontece no “Arkham Asylum” em que Batman se encontra refém dentro do Asilo juntamente com grande parte dos seus inimigos e é Two-Face o escolhido para decidir se ele fica ou não, não vou contar mais porque é uma sequência sublime.
Existem pelo menos 3 estórias em que diferentes escritores exploraram as possibilidades de colocar esta personagem sob cirurgia estética, devolvendo-lhe a sua aparência antes do acidente. Em “Hush” e “Black & White” Harvey Dent recuperou a sua personalidade original abandonando a sua carreira de vilão, em “ The Dark Knight Returns” o resultado foi precisamente o oposto, Dent sente-se todo ele um monstro.
1ºaparição - Detective Comics #66 (1942).
Livros Aconselhados – Batman: Year One, Arkham Asylum, The Dark Knight Returns, Black & White, The Long Halloween, Dark Victory.





Lucifer Morningstar

É evidente que a DC Comics já tinha utilizado o Diabo como personagem antes, mas esta abordagem em particular surge inteiramente da mente de Neil Gaiman que tirou influências da obra "Paradise Lost" de John Milton. A pedido do autor Lucifer foi desenhado para se assemelhar a David Bowie.
O seu carisma é tão grande que apesar das curtas aparições sempre se destacou como um dos personagens mais fortes em "The Sandman" e na opinião do seu criador um que merecia definitivamente a sua própria série, algo que a início enfrentou sérias dificuldades, pois aliado ao receio de editar uma série sobre o Diabo, o facto de o quartel-geral da DC estar situado na 666 fifth avenue não ajudava. Eventualmente a série arrancou e a árdua tarefa calhou a Mike Carey.
A primeira vez que Morningstar nos foi apresentado, encontrava-se a governar o Inferno juntamente com os demónios Beelzebub e Azazel. A ideia de o Inferno ser governado por um triunvirato foi imposta pela DC na altura e não uma escolha do autor que era contra. No entanto Gaiman sempre deu a entender, claramente, quem dos três era aquele que tinha sempre a última palavra e nesse sentido não há margem para dúvidas, o senhor do Inferno era Lucifer "The Lightbringer".
Como disse as suas aparições na obra-prima de Gaiman foram poucas mas sempre excepcionais, quem não delirou com a história de "Seasons of Mists"? Nesta história Lucifer abandona o Inferno pedindo a Morpheus (os seus destinos estão mesmo cruzados) que lhe corte as asas, e mudando-se para Los Angeles (a cidade dos anjos) onde acaba por abrir um bar de nome "Lux".
Adoro a forma como Gaiman desenvolveu o personagem e mesmo em "Murder Mysteries" que não tem ligação com "Sandman" podemos sentir que o diabo é o mesmo.
Quando Mike Carey pegou neste desafio, notaram-se diferenças, principalmente quando se introduz o arcanjo Michael, mas o autor tinha uma tarefa complicada, criar um arco sobre um dos personagens mais poderosos da criação e pessoalmente acho que fez um bom trabalho.
O meu comentário ao primeiro livro de Lucifer pode ser lido aqui (onde fui buscar excertos para colocar aqui). O livro é bom mas fica já o aviso que a história melhor em volumes posteriores, Lucifer chega a conseguir criar um Universo seu onde é proíbido venerar deuses, lindo.

quinta-feira, dezembro 16, 2010

Dexter - The Big One


Há um ano atrás (parece que foi ontem) estava eu a colocar um post referente à season finale de Dexter, que foi abismal e me deixou devastado (isto é um grande elogio).
Infelizmente hoje venho dizer o contrário, o final desta 5º temporada foi morninho e deixou muito a desejar. Valeu pelo Jonny Lee Miller que criou mais um vilão digno de registo na série. Pena não ter sido melhor explorado.
No fundo a série começa a repetir-se, ela é muito boa mas se não tem um rumo a seguir deve começar a pensar em pendurar as chuteiras em vez de se estragar. Esta 5º temporada fez lembrar a 3º o que não é bom. Não estou a dizer que não é possível continuar a surpreender, é uma questão a avaliarem, nunca pensei que Dexter fosse série para durar ad eternum.

Torneio de Personagens de BD Norte-Americana - Grupo II

Batman


Tinha dito que o Rorschach seria o personagem que mais desenvolvi no blog, mas estava a esquecer-me do Homem Morcego.
Falei do personagem na rubrica Influências/Semelhanças duas vezes, uma comparando-o ao Daredevil e outra ao Moon Knight.
De livros, infelizmente, só fiz um comentário maior em relação a um, esta maravilha que é Black and White Vol 1. Deste volume que contém curtas de 8 páginas de Batman, duas das minhas predilectas podem ser vistas aqui.
Além do mais este dispensa apresentações.




Marv


Marv é um dos personagens mais conhecidos e mais populares da saga de Frank Miller "Sin City".
É o personagem principal de "The Hard Goodbeye" o primeiro livro desta série que rapidamente conquistou um leque de leitores fiéis. Em "A Dame to Kill For" voltaríamos a encontrá-lo como personagem secundário quando ajuda Dwight.
Marv é incrivelmente bruto, mas no que o seu corpo ganha em força, a sua mente perde. Marv apesar de já bem adulto tem uma mente pouco desenvolvida. Mas por detrás deste aspecto assustador está um grande coração.
Alguns dos seus grandes momentos são as torturas porque faz passar os seus inimigos, hilariantes.
Entrou também em "Silent Night" e "Just Another Saturday Night".
No cinema foi interpretado por Mickey Rourke. Muitos disseram que Rourke voltou em grande no "Wrestler" mas para mim já tinha regressado em "Sin City". Rourke estava completamente mudado fisicamente, mudanças estas que vieram beneficiar a sua caracterização de Marv, dúvido que se estivessemos perante o Rourke de "Orquídea Selvagem" o papel fosse seu.
Quanto ao filme em si realizado por Robert Rodriguez e Frank Miller. É um exercício de estética muito interessante, eles conseguiram transpôr a BD para o grande ecrã, mas infelizmente o filme não traz nada de novo, apenas deu movimento à BD.
Aqui o deixo num dos seus momentos altos:






Little Nemo



Este foi daqueles que nunca tinha ouvido falar.
Trata-se de um personagem de tiras cómicas, criado por Winsor McCay, que teve o seu início de carreira em 1905.
As tiras contavam a história de Nemo um rapaz que quando sonhava partia para grandes aventuras. Aventuras essas que acabavam sempre com o rapaz a acordar, por exemplo caindo da cama.
Gostava de deixar algumas tiras mas a única que encontrei cujos balões se conseguem ler foi esta. Pelas imagens gostei muito desta.
Sem dúvida algo a descobrir, o mundo dos sonhos sempre foi algo que me fascinou, não fosse eu grande apaixonado por "The Sandman" de Neil Gaiman, mas isso fica para mais tarde afinal o Sandman também está nomeado.





Yorick Brown


Este é o personagem principal da série "Y The Last Man" de Brian K. Vaughan (que esteve envolvido em alguns episódios de Lost) e Pia Guerra.
Nesta história, Brown é o último homem, com a capacidade de respirar, à face da Terra, aliás juntamente com o seu macaco são os últimos seres a possuir um cromossoma Y. Isto assim de repente parece ser um sonho tornado realidade para muitos, mas fechem os olhos e imaginem lá isto, ia ser terrífico.
Aparentemente houve algum tipo de contaminação que matou todos os seres masculinos no planeta. Para quem está farto de pragas a transformar a malta em zombies, têm aqui uma opção bem viável. "Y The Last Man" está concluido em 10 volumes e (estava-se mesmo a ver) já há planos para fazer uma adaptação televisiva. Nunca a BD foi tao falada como agora graças aos filmes.




Hobbes
Quem nunca leu uma tira de "Calvin & Hobbes" que levante o braço? Serão muito poucos a levantar o braço e provavelmente ainda não estão na idade de aprender a ler.
Esta tira é das mais populares de sempre e tornou o nome do seu criador, Bill Waterson, sinónimo de Humor em BD.
Lembro-me que quando peguei no livro pela primeira vez pensava que o tigre era real. Afinal ele mexia-se falava, enfim fazia tudo. Rapidamente descobri que não, Hobbes é um peluche e vive na mente de Calvin.
Isto lembra-me que certo dia deparei-me com aquela que é a tira mais triste desta saga. Não é oficial pois não foi criada por Waterson, mas está bastante bem conseguida. Só peca pela referência a medicamentos, não precisava abordar isso podia ser o Calvin a crescer.
Deixo-a aqui para verem:


Quando li isto pela primeira caíu-me a bela da lágrima pela cara, isto prova o poder que estes dois têm.
Depois ainda fizeram a tira seguinte, para nos deixarem mais felizes:
Podia dizer que o Hobbes é a única personagem a concorrer que é um peluche, mas estava a mentir. Hobbes é e sempre será mais do que um mero peluche, Hobbes é um amigo.