domingo, fevereiro 22, 2015

Sleepwalk And Other Stories


 Já tinha mencionado aqui como descobri Adrian Tomine, um dos novos autores sensação da BD Norte-Americana. Desta vez, mais consciente, virei-me para o início, nomeadamente, este "Sleepwalk And Other Stories" que se trata da compilação dos primeiros números da revista de Tomine, a "Optic Nerve".

Aqui podemos comprovar que desde o início que o interesse no autor se prende com a vida das pessoas. Situações do quotidiano - algumas mais bizarras do que outras - formam o conjunto de episódios que se encontram aqui retratados. E são realmnente episódios, sem terem necessariamente um início ou um fim. Como se de repente abrissemos uma janela para espreitar o que se passa na vida de alguém que vimos passar na rua. Tudo, normalmente, aputado por uma aura de melancolia que impressiona e fica connosco.

As personagens de Tomine são tão bem escritas que podiam ser reais (se calhar até são) e é na partilha desses pequenos pedaços de vida, que o autor nos conquista.

Entretanto também me deparei no caminho com "Scenes of an impending marriage" que se trata de um pequeno livro em que Tomine brinca com a organização do seu próprio casamento. Menciono este divertido livro porque ao contrário do restante trabalho do autor, é mais leve e humorístico.

quinta-feira, fevereiro 19, 2015

What We Do in the Shadows (2014)


Realizado por Jemaine Clement e Taika Waititi, "What We Do in the Shadows" é um divertídissimo mockumentary sobre vampiros. Nesta  curta ficção seguimos o dia-a-dia de três vampiros (vá quatro) que vivem juntos há muitos anos. Pelo caminho, há espaço para outras criaturas do fantástico, tudo feito sempre com um humor muito bem disposto, divertido e por vezes bem sangrento. Adorei, venham mais.

Sendo muito diferente no estilo, fez-me lembrar outro belíssimo mockumentary que se aventura nos campos do fantástico. Falo do fabuloso "Trolljegeren" .

sábado, fevereiro 14, 2015

Os heróis também usam BI #7


Chegou a vez de recordarmos esse monstro, não só das bolachas, mas de, basicamente, tudo.
Cliquem aqui para o conhecer melhor.

sexta-feira, fevereiro 13, 2015

Whiplash (2014)


Sangue e suor são as duas primeiras palavras que me surgem para definir este filme. A perseguição da imortalidade, seja em que área for, é uma tarefa árdua. A relação entre discipulo e mestre, bem como a discussão sobre o alcance da grandeza trazem-nos um filme simples e de grande intensidade, sempre acompanhado por uma belíssima banda sonora.

Fantástica esta estreia de Damien Chazelle nestas lides. Porque não são precisos grandes fogos de artíficio para fazer bom cinema (estou a pensar no "Birdman", que com todas as suas qualidades na forma, não me interessou tanto no conteúdo).

E claro, J.K. Simmons, continua a provar porque é grande actor.

quinta-feira, fevereiro 12, 2015

10.000 Anos Depois Entre Vénus e Marte na Casa da Música



Hoje a passear deparo-me com isto numa parede. Não fazia ideia que este álbum mítico regressaria aos palcos um dia. O bilhete já cá canta.

segunda-feira, fevereiro 09, 2015

Romeo and Juliet


A glooming peace this morning with it brings. 
The sun, for sorrow, will not show his head. 
Go hence, to have more talk of these sad things.
 Some shall be pardoned, and some punishèd. 
For never was a story of more woe 
Than this of Juliet and her Romeo.

Existem obras cujo impacto foi tão grande no mundo, que a marca que deixaram é passada de geração em geração. "Romeu e Julieta" é uma dessas obras, uma história conhecida por qualquer um, mesmo que nunca tenha sido lida ou vislumbrada.

Claro que, nestes casos, apenas parte destas histórias é que são conhecidas e por isso a descoberta das mesmas, pode sempre conter enormes surpresas durante a sua leitura. Neste caso em particular, foi muito curioso descobrir que metade desta peça é uma comédia e que só a dada altura (mais especificamente após a morte de uma personagem) é que a mesma assume um tom mais trágico.

Mais do que isso "Romeu e Julieta" é uma peça cheia de camadas que poderão ser interpretadas de diferentes formas, por diferentes pessoas. Podemos olhar para este retrato do amor jovem e reconhecer como o impulso característico da juventude o empurrou para o abismo, imortalizando-o na sua pureza, ou para o papel que as forças dod estino poderão desempenhar na destruição deste amor puro (que por ser tão jovial ainda não foi manchado pela corrupção do mundo). Além do retrato deste casal, a sociedade é algo que é igualmente focado, nomeadamente o conflito entre as famílias dos amados, que tão bem exemplefica como a violência gera violência. Não sabemos a origem deste conflito porque nunca é importante, a própria ignorância em relação ao mesmo dá força ao rídiculo da situação. Uma situação que apenas é corrigida através do sacríficio deste amor. É apenas na morte de Julieta e Romeu que ambas as famílias encontram a redenção, uma redenção que de outra forma não existiria.

Ainda gostava de salientar a personagem de Mercucío, o melhor amigo de Romeu e que logo nas primeiras cenas nos conquista, sendo, sem qualquer dúvida, uma das personagens mais memoráveis da peça. Mercúcio além dos seus delírios provocadores, é a personagem que se encontra mais afastada de Romeu no que toca à interpretação do amor. É um anti-romântico que não leva a sério os sentimentos do seu melhor amigo quando este, ainda por cima, parece trocar de paixões como de camisas.

Quanto à escrita é, claro, exímia. Fiz questão de a ler no inglês original, precisamente para não perder nenhuma musicalidade desta poesia (claro que ajudas e traduções em português foram usadas quando se trata de um inglês com mais de 400 anos).

Uma peça extraordinária que merece e deve ser conhecida por todos, muito mais além do que a mera informação que foi sobrevivendo de "boca em boca".

quarta-feira, fevereiro 04, 2015

Erzsébet


Na introdução descrevem Nunsky, o autor desta BD, como um cometa da BD Underground, culpa do papel passageiro (ainda que aparentemente marcante) que teve e por este seu regresso, um regresso que após a leitura de "Erzsébet" esperemos que, no futuro, seja mais rápido.

O autor nortenho - e vocalista da banda psychorock "The IDS" - regressou com mais uma temática de peso, peso e sangue. Erzsébet Bathory foi uma condenssa húngara (contemporãnea de Shakespeare) cujo nome esteve associado a uma série de crimes hediondos. A tortura e morte de uma imensidão de jovens mulheres, deram à condessa os cognomes de  "A condessa sangrenta" ou "A condessa Drácula", nome que são bastante auto-explicativos.

A tortura criada por Erzsébet é tanto usada para fins de bruxaria (a sua procura pela juventude eterna) como para o seu bel prazer, uma vez que os crimes cometidos pela condessa, encerram em si mesmo um brilho que a alimentam.

Para todos aqueles que apreciam uma viagem pelas profundezas negras do coração dos Homens, este é sem dúvida um livro a explorar, aliás, uma das publicações mais interessantes do ano passado (que me falhou das listas porque só a li agora).

Leiam e espalhem a palavra, pode ser que assim, o cometa Nuncky mude de alcunha, para uma  mais regular.

segunda-feira, janeiro 26, 2015

The Affair - 1º Temporada


Mais uma bela surpresa da Showtime. Depois de "Penny Dreadful" o canal traz-nos este drama/policial sobre o adultério. Falei da primeira temporada no sítio do costume.

quarta-feira, janeiro 14, 2015

Saga


Já tinha falado de "Saga" no blog, uma série que sigo assiduamente e com grande atenção. Como no final do ano passado, o primeiro volume foi editado por cá pela G. Floy, fazia sentido voltar a recordar a história de Brian K. Vaughan e Fiona Staples.


Desta vez voltei a escrever sobre ela no "Deus Me Livro", para lerem basta só clicar aqui.

quinta-feira, janeiro 08, 2015

sábado, janeiro 03, 2015

Sugestões de Leitura - 2014


Neste primeiro ano do seu funcionamento o "Deus Me Livro" acaba o ano com uma lista de várias sugestões de leitura, por todos os colaboradores. Da minha parte, como é costume, ficou a BD.

Como é costume, é de sublinhar que não li tudo, por isso mais que uma lista dos melhores é mesmo uma lista de sugestões, bastante variada como eu bem gosto.  Livros que já haviam sido editados como "MAUS" e "A Pior Banda do Mundo" foram preteridos por novidades em Portugal (salvou-se a aniversariante MAfalda). Também é de salientar que além dos que me devo ter esquecido, houve livros que por serem editados no final do ano ficaram de fora. Só agora li "Zombies" de Marco Mendes e estou neste momento a meio do "Livro dos Dias" do Diniz Conefrey.

Mas é tempo de menos palavras e de mais sugestões. Aqui fica a lista do site.

Além da BD, apenas tenho uma sugestão a acresentar que são os "Poemas Completos" de Herberto Hélder editados pela Porto Editora. O autor português mais eremita está de regresso com aquele que considera o seu corpus definitivo na poesia. Tendo em conta que Hélder é conhecido pelas suas tiragens limitadas, esta edição é não só um dos maiores acontecimentos literários do ano, como do século também (das mais caras também).

quinta-feira, janeiro 01, 2015

Balanço TV 2014


Um Feliz Natal atrasado e um excelente início de 2015, são os votos que desejo a todos os que passam por aqui e aos que não passam também.

Com muita ausência, vou tentar regressar com maior assíduidade ao blog. Para primeiro post de 2015, nada como reflectir sobre 2014.

Aqui vos deixo o meu top 10 de melhores episódios de TV, que pode ser lido aqui no sítio do costume.

Em adição fica também o top 10 de melhores séries, votado por todos os colaboradores do TVDependente. Pessoalmente elegeria Fargo como número um e tenho alguma pena em não ver Utopia algures. Mesmo com os defeitos que a segunda temporada tvee, continua a ser um produto de TV estonteante e que termina em 2014 culpa do seu cancelamento.

Novamente, um bom ano.

terça-feira, dezembro 23, 2014

Os heróis também usam BI #6


Porque o Espírito-Que-Anda dispensa apresentações, cliquem aqui para lerem mais sobre ele.

Continua a ser uma referência e uma das personagens por quem nutro maior carinho. É por isso que não me surpreende nada que ainda hoje - passados quase 80 anos . ainda é publicado.

quarta-feira, dezembro 17, 2014

Boyhood (2014)


O Cinema é um mestre na arte da ilusão, engana-nos e faz-nos acreditar naquilo que momentaneamente estamos a ver. "Boyhood" de Richard Linklater eleva essa fasquia ainda mais alta, pois nunca antes vimos um filme sobre o crescimento de alguém que se aproximasse tanto da realidade. Não é que o filme de Linklater seja mais verdadeiro ou mentiroso que outros, mas o facto do realizador ter filmado esta história com os mesmos actores, durante 11 anos, confere-lhe uma aura de autenticidade muito maior, mesmo que essa autenticidade seja uma ilusão.

O tempo tem sido um elemento decisivo na carreira de Linklater. A passagem da nossa vida por esta Terra e as suas diferentes fases, já vinham a ser retratadas pelo realizador na saga que começou em "Before Sunrise". Nesta trilogia já podíamos confirmar o seu fascínio pela forma como o tempo afecta as nossas vidas. É nesta altura que Linklater começa a tentar conciliar duas coisas muito difíceis: a passagem do tempo no ecrã e na vida real. Atente-se que todos os filmes desta trilogia foram filmados passados vários anos, de forma a manter sempre os mesmos actores e com eles conferir esse tal grau de "autenticidade" aos filmes.

Em "Boyhood" o desafio foi ainda maior e, mais importante, cumprido com distinção. O crescimento de Mason resulta em um dos mais belos filmes do ano, um daqueles que é mesmo obrigatório ver, nem que seja pelo simples facto de estarmos perante História cinematográfica. "Boyhood" é único, mas mais importante ainda, é que também é um belíssimo pedaço de cinema.

sexta-feira, dezembro 05, 2014

Doctor Who: Uma Viagem Pelo Espaço e Tempo – Fim


Ao longo das últimas semanas andei a recordar alguns episódios mais icónicos da nova série de "Doctor Who", ao longo de todas as temporadas e de forma a culminar nesta última.

Como tudo tem um fim, aqui vos deixo o link para o último artigo (com ligações para os anteriores. É só clicar aqui.

quinta-feira, dezembro 04, 2014

Os heróis também usam BI #5



Elektra já foi um pouco de tudo ao longo da sua vida, onde lhe podemos incluir momentos tanto heróicos como vilões. Para agora, concentremos-nos no seu lado melhor, naquele que o Daredevil tanto tenta fazer sobressair.

É verdade que dificilmente Elektra passará a seguir sempre o caminho do herói, mas esse lado existe e está dentro dela.

Para lerem a rubrica cliquem aqui.

domingo, novembro 30, 2014

Logicomix


A Gradiva editou este ano, um tratado de BD sobre a lógica matemática. Um livro estimulante a vários níveis e sobre o qual falei no "Deus Me Livro". Para lerem, cliquem aqui.

sexta-feira, novembro 07, 2014

ohZona - Apresentação no Amadora BD

Capa de Yi Luo


Já tinha falado deste projecto aqui, o qual será apresentado no Domingo, pelas 17 horas no Festival Amadora BD.

Antes de mais convém realçar que todos os autores - com excepção do Rui Alex - vão estar presentes na apresentação. Quanto ao livro terá um custo de 5€ (são mais de 60 páginas A5 de BD), mas durante o festival estará a 4€.

Como prometido, venho agora divulgar algumas páginas (uma por desenhador).


 "Noite do Diabo" - desenho de Caroline Ring e argumento de Gabriel Martins

 "Noite do Diabo" - desenho de Rui Alex e argumento de Gabriel Martins


 "Noite do Diabo" - desenho de Lew Bridcoe e argumento de Gabriel Martins 


 "As long as we are alive" - desenho de Fil e argumento de Christoph Mathieu 


 "In our hood" - desenho de Asja Wiegand e argumento de Christoph Mathieu 

 "Everything is over on Ash Wednesday" -  desenho de Miguel Santos e argumento de Christoph Mathieu 

A primeira parte do livro é composta por uma história da minha autoria escrita em português com tradução em inglês. Enquanto que a segunda parte contém três histórias curtas escritas pelo Chris em alemão, também com tradução em inglês.

Foi uma grande experiência, como tinha dito é a minha maior BD até à data. Além da experiência recompensadora neste intercâmbio com a Alemanha (obrigado Lew e Caro), tive o prazer de me reunir novamente com o Rui Alex, o desenhador com quem mais trabalhei e cuja evolução de traço tem sido um previlégio seguir.

Espero poder contar com alguns de vós na apresentação. Se alguém estiver interessado em adquirir o livro também me pode contactar a partir do blog.

segunda-feira, novembro 03, 2014

TCN 2014: Nomeados e Votações


Com o final do ano a aproximar-se, é tempo de mais uns prémios TCN, os quais têm por objectivo premiar a blogoesfera nacional de Cinema e TV, salientado aquilo que de melhor tem feito.

É certo que não estarão cá todos, até porque nem todos concorrem, mas dentro dos interessados os TCN continuam a esforçar-se por dar destaque ao que se escreve nesta internet fora.

Mais uma vez conto-me entre os nomeados pelo trabalho que tenho desenvolvido no "TVDependente". Este ano, pela primeira vez, estou nomeado em melhor crítica de TV, com uma série que me é muito querida: "Utopia". Além desta, ainda estou nomeado com o "Séries aos Quadradinhos" uma rubrica que partilho com a Syrin e o Rafa Santos e que foi uma grande diversão de escrever (conseguimos meter BD nos TCN!!!).

Este ano de forma a espalhar ainda mais a divulgação dos blogs, as votações não estarão concentradas no "Cinema Notebook" , mas antes espalhadas por vários blogs. Os nomeados e locais de votação podem ser consultados aqui.

De resto é sempre bom continuar a ver o trabalho de "caras" conhecidas a ser salientado. Desta vez, por ter sido um ano em que estive mais ausente deste universo, deparo-me também com uma série de nomeados que me são completamente desconhecidos. Por isso também é bom ver que a blogoesfera continua viva e a trazer sangue novo.

E no fundo é isto, um muito obrigado pela nomeação e boa sorte a todos. Já agora o material promocional continua a ser da autoria dessa referência da blogoesfera que é o Brain-Mixer.


domingo, novembro 02, 2014

ohZona - Comic Transfer 2014



O "comic transfer" trata-se de um projecto do Goethe Institut que tem por objectivo promover o intercâmbio entre autores da Alemanha e de outros países.

Este ano o intercâmbio incidiu sobre as publicações independentes de BD e um dos convites para participar acabou por chegar até mim. De um lado temos a revista "Zona" - a representar Portugal - enquanto do outro a "oh Magazin" - publicação alemã. É a partir da fusão entre estas duas revistas que nasce a "ohZona".

O livro é inspirado nessa época de festejos e excessos que é o Carnaval, sendo dividido em duas partes. A primeira debruça-se sobre o Carnaval do Norte de Portugal, contando com o desenho de Caroline Ring, Lew Bridcoe e Rui Alex, com argumento da minha autoria. Na segunda parte visitaremos o lado do Carnaval de Colónia através da escrita de Christoph Mathieu e com desenhos de Asja Wiegand, Fil e Miguel Santos. É de salientar ainda a questão linguística. A "ohZona" terá a primeira parte escrita em portguês e a segunda em alemão, mas todas as histórias contarão com legendas em inglês.


Aproveito este texto para expressar o meu agradecimento a toda a equipa, porém, em particular ao Fil pelo voto de confiança ao me convidar a participar. Até à data a minha maior BD tinha 5 páginas e a partir de agora terá 32. Foi um grande desafio esta aventura e espero ter estado à sua altura. Pelo menos a participação é algo que nunca esquecerei.

Para já revelarei apenas esta fantástica capa que é da autoria de Yi Luo, mas aguardem mais novidades sobre o projecto, onde iremos disponibilizar algumas imagens do interior.

Quanto ao lançamento, está apontado para o dia 9 de Novembro no festival de BD da Amadora.