segunda-feira, novembro 26, 2007

Murder Mysteries

Li recentemente este livro e adorei, trata-se de uma brilhante adaptação aos comics, por P. Craig Russel, de uma aclamada estória que posteriormente deu origem a uma peça de rádio do novelista Neil Gaiman.
“Murder Mysteries” não tem uma estória para contar... tem duas. A estória parte das recordações de um Inglês, numa altura em que foi forçado a estar uma semana em Los Angeles (cidade dos anjos). Deambulamos por essas escassas e frágeis memórias, até darmos com o nosso protagonista sentado num banco a conversar com um senhor mais velho, que em troca de um cigarro, lhe oferece uma estória. Uma estória em que ele é não um homem, mas um anjo, Raguel o anjo da vingança.
Rapidamente somos ofuscados pelo brilho deste novo conto, que nos remete para o princípio dos tempos, na cidade de cristal (a cidade dos anjos), onde o Universo ainda está em fase de construção, e todos os anjos têm um papel a desempenhar. Até que um anjo é morto, e pela primeira vez é necessária a criação de alguém que faça cumprir a justiça de Deus, pela primeira vez Raguel é preciso.
Acompanhamos este anjo na procura incessante de um assassino, e no final dessa procura descobrimos que se tratava de um plano muito maior, algo catalisador de um grande evento no futuro.
Eu sempre adorei o modo como Gaiman retrata Lúcifer, e neste livro um dos objectivos acaba por ser, o de mostrar o princípio do fim desta personagem, uma confirmação do que Lúcifer diz em “Sandman – Season of mists”. Só vos posso dizer que, estranhos são os desígnios de Deus.
Mas será que é tudo? E não entendam mal, esta estória era mais do que suficiente para me deixar muito satisfeito, mas como disse antes “Murder Mysteries” tem uma estória dentro de outra. Ainda há algo que não foi contado e tecnicamente nunca chegará a ser.

Publicado originalmente em Rua de Baixo (Junho de 2006) por José Gabriel Martins (Loot)

3 comentários:

maurobindo disse...

Não conheço... mas fiquei curioso.

_Loot_ disse...

Eu gostei muito, aconselho ;)

Anónimo disse...

não conhecia essa revista. deveriam fazer um relançamento da mesma. gostei da premissa.