quarta-feira, novembro 12, 2008

Joker

Finalmente já se encontra disponível o novo trabalho de Brian Azzarello e Lee Bermejo, a dupla que nos tinha trazido"Lex Luthor: Man of Steel". Se anteriormente escolheram criar um livro sobre o mítico vilão do Superman, desta vez chegou a vez de ilustrar a vida do mais temível vilão do Homem Morcego, o Joker.
Há semelhança da dupla Jeph loeb e Tim Sale que popularizaram a saga das cores sobre super heróis, tais como "Homem Aranha: Azul", "Daredevil: Yellow" ou "Hulk: Gray" coloca-se a questão se esta ideia de Azzarello e Bermejo será também algo a continuar a explorar no futuro relativamente a outros némesis.
Esta novela gráfica chamar-se-ia inicialmente "Joker: The Dark Knight", seguindo a mesma linha de "Lex Luthor: Man of Steel. Mas devido ao lançamento do filme o título teve de ser alterado para "Joker" que na minha opinião funciona perfeitamente. No entanto o título inicial também tinha a sua piada uma vez que tenciona apelidar os vilões de um título conquistado pelos seus respectivos inimigos, os heróis.
Ao contrário do que eu pensava "Joker" não é uma BD baseada no Joker criado por Heath Ledger. Segundo Brian Azzarello, ele e Lee Bermejo começaram a trabalhar nesta história antes do filme, já há mais de dois anos e estavam prontos para lançá-la antes da estreia de "The Dark Knight", mas a DC comics optou por fazê-lo depois, muito provavelmente para aproveitar todo o furor à volta do filme. Após ter visto o Joker de Ledger, Azzarello compreendeu a decisão da editora pois na sua opinião quem adorou o personagem no filme vai adorá-lo neste livro.
Depois de o ler posso comprovar que de facto este Joker não é o mesmo de "The Dark Knight" no entanto todo o livro tem um sabor a sequela do filme (mesmo não o sendo) e visualmente o Joker é idêntico ao de Ledger. É normal que hajam pontos similares tanto no filme como na BD uma vez que há semelhança de Christopher Nolan, Azzarello teve uma abordagem realista ao personagem e ao seu Universo. No entanto penso que os autores devem ter tido acesso a algum material do filme nomeadamente à caracterização do Joker, pois como disse a semelhança entre os dois é notória.
O livro começa com o Joker a ser solto do Asilo Arkham porque aparentemente conseguiu convencê-los de que não era maluco. Como disse anteriormente todo o livro me lembrava o filme e por isso quando vi Harley Queen pensei que talvez fosse ela a razão da fuga de Joker uma vez que na BD ela era uma psiquiatra em Arkham que ao estudar o Joker acabou por se deixar seduzir por ele e pelas suas ideias. Lembrei-me disto porque a personagem não foi introduzida no filme e poderiam ter aproveitado esta história que contei da autoria de Bruce Timm. Contudo como já tinha dito, isto não é uma sequela e a forma como Joker se safou de Arkham permanecerá sempre um mistério, bem como outros pormenores da história, o que até faz todo o seu estilo.
Ninguém do grupo de bandidos do Joker o quer ir buscar à prisão excepto um sujeito de nome Jonny Frost. Frost que ser alguém no mundo do crime e para isso irá seguir todos os passos do Joker para o poder conhecer e compreender melhor. Infelizmente, por vezes devíamos ter cuidado com aquilo que desejamos.
Durante o tempo em que Joker esteve preso vários criminosos dividiram Gotham City entre si, algo que não agradou em nada o "palhaço do crime" que ao sair em liberdade tem como plano recuperar, nas suas palavras, a sua cidade. Para isso Joker irá encontrar alguns dos vilões mais conhecidos por nós, tais como o Penguin, o Riddler e o mais importante o Two-Face. Todos os vilões se sentem aterrorizados pelo Joker e o único capaz de lhe fazer frente é precisamente Two-Face, mas até ele poderá ser obrigado a recorrer à última pessoa que desejaria, para se livrar de tamanho pesadelo e acreditem pesadelo é a palavra ideal para descrever o que o Joker os faz sentir. O Killer Croc é dos vilões clássicos aquele que mais aparece a seguir ao Joker, mas Croc está do lado do palhaço. Azzarello já tinha tido uma abordagem mais realista a este personagem em "Broken City" quando o descreveu como alguém com uma doença de pele e não como um verdadeiro "Homem Crocodilo". Aqui Killer Croc é um enorme monte de músculos que se encontra ao serviço do palhaço e claro a sua pele mantém uma certa tonalidade que o difere de todos os outros, caso contrário a referência ao crocodilo não fazia tanto sentido. Uma coisa é certa, encontram-se aqui algumas boas ideias para abordar certos personagens de forma realista quem sabe, por exemplo, num próximo filme.
Esta é sem dúvida umas das mais crus e violentas histórias feitas sobre o personagem. Todos sabemos que o Joker é capaz de tudo e no entanto este livro faz-nos por vezes sentir repulsa do personagem, foi sem dúvida uma experiência intensa.
Nesta BD, Azzarello não optou por contar a história do ponto de vista do personagem principal tal como tinha feito em "Lex Luthor: Man of Steel" mas antes de Jonny Frost. A decisão foi muito provavelmente a mais acertada, afinal quem se quer aventurar a entrar na mente de um dos maiores dementes de sempre? Além de que o próprio autor afirmou que contar a história a partir da mente do Joker era tirar poder ao personagem pois nunca ninguém sabe o que ele vai fazer a seguir.
Também adorei a arte que alterna anarquicamente entre desenhos num estilo mais tradicional e outros 100% digitais com um rigor excepcional. Fica a questão se esta decisão foi tomada por falta de tempo em colorir tudo da mesma forma ou para simplesmente a arte ser há semelhança do Joker, instável. Independentemente da resposta a arte é muito boa e isso é o que interessa.Uma das questões que todos devem estar a fazer neste momento, é se Batman participa nesta história apesar de ela ser sobre o Joker. Posso dizer que há referências constantes ao vigilante da noite sejam elas no jornal, em simples conversas, ou simplesmente quando Joker olha para o céu e se dirige certamente a ele. Batman faz parte desta cidade e poderá surgir em qualquer instante pronto para derrubar aqueles que infestam Gotham City como uma doença.
Azzarello afirmou que "Joker" foi o livro mais violento que escreveu até hoje. Para mim foi sem dúvida um dos mais violentos que li sobre o Joker, no entanto como apreciador de obras violentas e perturbadoras, não posso deixar de pensar que se queriam enveredar por um caminho tão sombrio podiam ter ido mais longe. Mas isto já constitui um problema geral nas editoras Americanas que na maior parte das vezes não se arriscam a ir por caminhos mais negros, o que é na minha opinião uma pena. Reparem que logo no início da história, na cena em que Joker mostra o "dedo", a sua mão aparece cortada no plano. Será que até isso têm de censurar? Ou então até foi uma decisão dos artistas e estou completamente enganado, mas é que ultimamente o crescendo da censura nos comics Americanos tem-me irritado. Pelo menos este "Joker" tem um sabor a Vertigo o que já é muito bom.
Em relação ao parágrafo anterior espero que não o interpretem como um ataque ao livro pois é apenas um desabafo em relação a algumas decisões cometidas na indústria Americana da BD. O livro vale muito a pena e contém algumas cenas e diálogos absolutamente excepcionais, tais como a história que Joker conta sobre um individuo que tinha o sonho de dar a volta ao mundo de carro em apenas um dia.
Esta é mais uma nova e interessante abordagem ao personagem, que para qualquer fã é absolutamente indispensável.

9 comentários:

syrin disse...

Parece interessante. Tenho de ver se encontro

crucios disse...

eu já li! :) Obra-Prima

kITT disse...

Otima review como sempre.Estou a espera da edição em tpb.

"O Killer Croc é dos vilões clássicos aquele que mais aparece a seguir ao Joker, mas Croc está do lado do palhaço. Azzarello já tinha tido uma abordagem mais realista a este personagem em "Broken City" quando o descreveu como alguém com uma doença de pele e não como um verdadeiro "Homem Crocodilo"."

Mas foi muito criticado por isso,quando bastava a DC Comics ter editado esse material numa mini fora do universo regular e da MENSAL do Batman mas mesmo assim gosto muito dela.
DAWN,agora vou ter que reler essa historia e o tpb "Lex Luthor: Man of Steel",e comics da run dele no Superman (zod) que foi criticado pelo mesmo erro de "Broken City.

HugoTeixeira disse...

Ainda bem que gostaste.

Só para avisar que vai sair o The Joker: Dark Knight HC Titan Edition

Pela mesma aclamada dupla.

;)

looT disse...

Syrin: É mesmo :) Munique valeu a pena? ;)

Crucios: Obra-Prima é a Killing Joke :D
Mas sim este também é muito bom ;)

Kitt: Muito obrigado Kitt mas olha que a edição em HC é tão bonita :D
Eu não ligo muito à continuidade nesse aspecto, mas percebo-te podiam manter a continuidade nos comics do Batman e ir lançando estas pérolas separadamente como graphic novels. Mas pessoalmente é-me indiferente analiso é a obra como um todo e também gostei de "Broken City".

Hugo: The Joker: Dark Knight HC Titan Edition??
Mas é um novo livro ou uma edição melhor deste?
Volta sempre Hugo ;)

celtic-warrior disse...

O meu já está à espera, estou em pulgas para o ler!

looT disse...

Eu descobri-o no FIBDA graças ao Hugo e não resiti tive logo de trazer :)

Depois temos de o sugerir na nossa tertúlia bedéfila online :D

syrin disse...

Yep, valeu. Comprei 2 TBPs americanas que estavam em saldo, e ainda trouxe uma graphic novel de uma autora alemã que não conheço e que parece ser interessante. :)

looT disse...

Depois tens de partilhar o nome desse da autora Alemã :P