terça-feira, fevereiro 14, 2012

O Incal II: O Incal Luz


O Incal I: O Incal Negro

Curioso que o volume com a capa mais escura é aquele cujo nome remete para o Incal Luz, tendo sido o nome do anterior o Incal Negro. Até as apresentações são ao contrário, primeiro conhecemos o da luz e depois o das trevas.

[Comentário com Spoilers]

No volume anterior fomos atirados de cabeça (Difool literalmente quando quase cai no poço dos suicidas) para este universo. De repente, sem prévio aviso, estamos no meio de uma civilização caótica onde habitam diversas sociedades, raças e espécies distintas. Cabe ao leitor ir entendendo-se neste mundo.
Em "O Incal Luz" mais pontos vão sendo ligados à medida que conhecemos um pouco mais deste "jodoverso".

O pobre Difool encontra-se aprisionado pelos tecnopapas e está prestes a ter todos os seus órgãos separados individualmente. Ele bem pede por ajuda ao Incal que continua na sua posse (dentro dele), porém é Deepo quem surge em seu auxílio.

Num tentativa de fuga Difool e Deepo entram dentro de um complexo cujo interior mais parece o exterior uma vez que tem muito mais espaço do que aquele que seria, aparentemente, possível conter. Nesse espaço está um ser monstruoso e o guardião do Incal Negro, o Cardiogrifo. Que a luta comece.

O Metabarão por sua vez está cada vez mais próximo de Difool, pelo caminho enfrenta um grupo de Bergs com relativa facilidade. Até o mercenário mais famoso deste mundo fica surpreendido com a existência destes alienígenas que apesar de serem de conhecimento comum parece que poucos os haviam vislumbrado.

Quando o Metabarão encontra finalmente Difool, já este havia criado o caos. Entregando-se ao Incal foi capaz de vencer o Cardiogrifo e obter o Incal Negro, conquista essa que lhe durou pouco tempo quando foi aparentemente hipnotizado por uma misteriosa mulher montada num rato. No meio disto tudo ainda foi o causador da destruição da cidade dos tecnopapas.

Do outro lado um severo motim está a acontecer quando grupos de rebeldes atacam a nave presidencial. Aqui marca presença também o Amok liderado por Kill "cabeça de cão". Nesta batalha o Amok revela ser possuidor de tecnologia dos tecnopapas, o que lhe dá uma considerável hipótese de vencer. Como eles obteram tal tecnologia é um ponto a salientar e que é explicado no final.

E de verdade seria realmente o fim para o presidente se este não se resignasse à sua insignificância e pedisse ajuda ao Imperoratriz, um Imperador e uma Imperatriz que parecem estar em corpos distintos com consciências separadas mas que agem como um líder..

Quando o Metabarão entrega o corpo de John Difool para receber em troca o do seu filho, que descobrimos ser adoptado, é traído por Tanatah que demonstra nunca ter tido intenções de honrar o seu acordo. Felizmente para Difool esta decisão era algo já esperado pelo mercenário. Assim, unindo forças, Metabarão, Difool e Solune (o filho) dão um festival de pancada nos soldados da líder dos Amok.

Com o falhanço da revolta e um ataque vindo da superfície aqueles que começaram como inimigos são forçados a trabalhar em equipa para escapar. E assim Tanatah, Difool, Deepo, Metabarão e filho e Kill fogem até ao lago dos suicidas (lago de ácido). Durante este segmento descobrimos que a mulher que roubou o Incal Negro é Animah, irmã de Tanatah, sendo elas as duas guardiãs dos Incais até a ganância se ter apoderado de Tanatah que começou a planear a sua conquista que supostamente teria sido alcançada neste dia se o ataque presidencial não tivesse falhado.

"O Incal" tem-se provado ser altamente viciante, quanto mais sabemos sobre esta história mais queremos descobrir. Para quem gosta de ficção científica completamente alucinada, não pode deixar escapar esta obra.

2 comentários:

Bongop disse...

Ok... é oficial! Tás "agarrado" ao Incal!
Vais-te divertir muito com os próximos dois.........
:D

Abraço

Loot disse...

Impossível não ficar viciado :P

Tenho de ver se consigo arranjar tudo à volta deste universo nem que tenha de recorrer a sacanços. Desde que não sejam em francês :P

Abraço