quinta-feira, fevereiro 16, 2012

Chronicle

"Chronicle" trata-se da primeira longa-metragem do realizador Josh Trank e do argumentista Max Landis. Dois nomes que após este filme certamente irão ser seguidos com mais atenção. Quando li o nome de Max Landis questionei-me imediatamente se teria algum grau de parentesco com o mítico John Landis, e sim é o filho.

É filmado com uma câmara portátil naquele que ficou conhecido como o registo "Blair Witch Project". Uma opção que faz todo o sentido uma vez que "Chronicle" pretende abordar de forma realista a forma como 3 pessoas reagiriam ao receberem super-poderes, neste caso em particular, telequinésia. Todo o conceito do filme é ser apegado à realidade e daí a escolha deste tipo de filmagem, é como se alguém tivesse pegado nas várias filmagens e compilado para mostrar ao mundo esta aventura. É como se tivesse mesmo acontecido.

Claro que num filme destes é complicado manter este tipo de filmagem. Como se não chegasse ter uma personagem que decide passar a filmar tudo à sua volta, acabam por ter de ir buscar outras gravações para mostrar o que se passa com outras personagens. É de salientar no entanto a montagem final. durante uma épica luta vemos o filme através das imagens captadas pelos telemóveis e câmaras de uma cidade, muito bom. Tecnicamente o filme é exemplar.

Adorei o tom do filme. Três adolescentes ganham poderes e aqui o como e o porquê não interessam, mas sim, como será a vida deles a partir daqui.
São três adolescentes é claro que vão divertir-se com as suas novas habilidades. A cena da pastilha elástica, a criança que assustam ou o carro que mudam de lugar são cenas hilariantes e que vemos as pessoas a fazerem caso estivessem na mesma situação.
Claro que há medida que os acontecimentos se vão desenvolvendo e os poderes aumentando é uma questão de tempo até alguém abusar deles.


Adorei a abordagem à telequinésia. O filme foge completamente ao estilo de "super-herói" porém foi imaginativo, tal como na BD, à forma de usar os poderes. A telequinésia a um determinado nível pode ser usada para mais do que levantar objectos. Pode ser usada para nos levantar a nós para assim voarmos e pode afastar todos os objectos do nosso corpo funcionando como uma espécie de campo de força. É uma força mental logo não é necessário usar as mãos como acontece na maioria destas histórias. A razão de usar as mãos prende-se com o facto de dar mais estilo e eles fazem-no precisamente por isso.
É abordada também como um músculo que quanto mais treinado mais se desenvolve.

Três rapazes de "mundos" tão diferentes, Andrew Detmer (Dane DeHaan) o solitário, Steve Montgomery (Michael B. Jordan) o popular e Matt Garetty (Alex Russell) o pensador, tornam-se assim amigos inseparáveis. Esta é a sua história, esta é a sua crónica.

Desde que vi o Michael B. Jordan no trailer do filme que a sua cara me era familiar. Durante o filme todo tentei lembrar-me, sem êxito, de onde o conhecia. Até que numa determinada cena mostram fotos dele em miúdo e caramba aí foi instantâneo, ele é o grande Wallace de "The Wire".

6 comentários:

FilmPuff disse...

Este filme é uma grande fonte de frustração para mim. Vi-o na estreia e não lhe encontro grandes defeitos a nível técnico, o elenco não é nenhuma perfeição mas ajusta-se perfeitamente ao que lhes é pedido e a história, por toda a impossibilidade que a caracteriza não cai no ridículo... E no entanto não consigo gostar do filme! Deve ser bom, acho eu. humpf.

Loot disse...

Realmente só apontas qualidades para depois não gostar :P

O filme é curto e directo. Gostei bastante da forma como abordaram esta ideia e está tudo realmente muito bem feito. Eu diverti-me bastante :P

tadeu disse...

"boys will be boys" chamou a atenção. tenho lido algo sobre, mas ainda não fui ver.
já viste o curta/doc que max landis fez sobre "a morte de superman"?
tá muito fixe. saiu na mesma semana que crónica chegou às salas de cinema.
abraço!!

FilmPuff disse...

Loot: Pois. Não lhe encontro grandes falhas e ao mesmo tempo, não consigo apreciar o filme. Talvez mais tarde, se o rever, o ame ou odeie. Neste momento fiquei com aquela sensação de que falta algo. Sabes aqueles filmes que tu dizes: "muito bem, até está algo interessante" mas que não te dizem nada? É isso.

Loot disse...

Tadeu: descobri a sua existência quando fui pesquisar sobre o Max Landis. Tenho mesmo de arranjar isso :)

Film Puff: Percebo perfeitamente. Aliás também pode ser o tema em si que não te diz nada, isso já não sei.
Ou então faltam é japoneses lá para gostares mais eheh :P

ψ Psimento ψ disse...

Como eu adorei este filme. Fui ver sem expectativas nenhumas pois nunca tinha ouvido falar mas um amigo meu estava muito interessado portanto acabei por ir.
Penso que terá sido o filme sobre poderes sobrenaturais que fizeram uma analise mais fiel ao que na realidade aconteceria se adolescentes os tivessem.
Confesso que só não gosto daquela forma de filmar porque se torna muito confuso às vezes.