segunda-feira, junho 23, 2008

The Incredible Hulk

Criado por Stan Lee e Jack Kirby, o Hulk foi publicado pela primeira vez em 1962 e apesar de ser conhecido como um grande monstro verde, a verdade é que foi criado originalmente como sendo cinzento. No entanto Stan Goldberg teve alguns problemas com a sua coloração e para o número dois Stan Lee optou pelo uso da cor verde.
A criação do Hulk foi influenciada por dois contos clássicos sendo eles, "Dr. Jekyll e Mr. Hyde" de Robert Louis Stevenson e "Frankenstein" de Mary Shelley. De um lado a dualidade da personalidade de um homem e do outro um monstro incompreendido pela sociedade.
Em 2008 este amigo verde regressa novamente ao grande ecrã mas desta vez pelas mãos de Louis Leterrier.
Como a maioria já deve saber "The Incredible Hulk" não é uma sequela do "Hulk" de Ang Lee. Aliás o corte é notório logo nos primeiros minutos onde mostram em jeito de flashback como o Hulk nasceu, nascimento esse completamente distinto do seu filme anterior e muito mais próximo da sua versão Ultimate como descobriremos mais à frente quando ouvimos a explicação do General Ross (para quem quiser saber como ele nasceu na BD dos Ultimates dê uma vista de olhos aqui).
Não o considerando dos melhores filmes sobre BD eu fui daqueles que gostou do filme de Ang Lee e da sua abordagem mais intimista a este grande monstro verde, não indo pelo caminho óbvio do "Hulk Esmaga", frase mítica na BD que nunca é proferida no filme de Ang Lee. Adorei também alguns pormenores na realização nomeadamente o que eu gosto de chamar os "planos bedéfilos".
Mas como "Hulk" não trinfou nas bilheteiras sendo considerado um fiasco, a Marvel decidiu voltar à carga com um novo filme, com um novo elenco e com uma história que prometia dedicar-se muito mais à acção.
Com esta premissa torci o nariz, imaginei um filme apenas dedicado à pancadaria e desprovido de sentimento. Felizmente "The Incredible Hulk" é bem melhor do que o imaginava. É verdade que lhe falta substância, um lado mais humano que podia ser melhor explorado com Bruce Banner, mas resulta bastante bem como filme de acção, monstrando-nos o lado mais agressivo do Hulk.
A história em si tem início no Brasil, onde encontramos um Bruce Banner (Edward Norton) a viver escondido das atenções de um certo General Ross (William Hurt) e em constante procura por uma cura. Enquanto não a descobre, Banner tenta treinar-se de forma a controlar as suas transformações e para isso aprende técnicas de relaxamento trazendo sempre no pulso um medidor de batimentos cardíacos que aqui funciona como um "Alarme de Hulk". No seu tempo livre Banner também vai tentado aprender umas palavras dessa bela língua que é o Português.
Eventualmente acaba por ser descoberto sendo obrigado a fugir novamente, o que desta vez até calha bem uma vez que tem de regressar de qualquer maneira ao seu país para recuperar os dados do seu "acidente" de laboratório, a fim de que um misterioso Mr. Blue com quem tem comunicado via internet, o possa ajudar a curar-se.
Emil Blonsky (Tim Roth) é um agente que ao contrário dos restantes membros do exército fica mais motivado do que petreficado pela oportunidade de defrontar um ser como o Hulk e fará tudo para ter uma hipótese justa contra este monstro verde. Por isso não é de estranhar que tenha aceite participar num antigo projecto do General Ross que prometia aumentar-lhe as suas capacidades físicas. É aqui que ficamos a descobrir que Bruce Banner, sem o seu conhecimento, se encontrava a trabalhar na fórmula do super soldado que criou o Capitão América na II Guerra Mundial e ao testá-lo em si próprio criou acidentalmente o Hulk. O General procurava descobrir esta fórmula perdida a fim de criar a arma perfeita, acabando por criar algo muito mais poderoso mas também muito mais díficil de controlar.
Apesar de nunca terem coseguido copiar o antigo soro criaram uma variante similar e as primeiras injecções que Emil Blonsky recebeu tiveram de facto um excelente resultado aumentando-lhe as forças e dando-lhe a capacidade de se curar muito mais rápido que um ser humano normal. Vê-lo lutar contra o Hulk fazia lembrar um autêntico Capitão América (do ponto de vista físico). O problema é que o Capitão está uns quantos níveis abaixo do Hulk e Blonsky teve de continuar a insistir em receber mais injecções até que por fim com a ajuda de alguém administrou o sangue de Banner que juntamente com o que havia tomado o tranformaram no Abomination criando um adversário à altura do Hulk.
No que lhe falta em argumento "The Incredible Hulk" compensa com acção proporcionando-nos alguns momentos de entretendimento fabulosos e quando se trata de um herói como o Hulk esses momentos também são precisos. Pessoalmente gostava de ter visto um maior desenvolvimento emotivo de algumas personagens, mas fica a questão de como seria este filme se não lhe tivessem cortado 70 minutos que felizmente poderemos ver me DVD. Aparentemente a maioria das cenas cortadas devem ter sido escritas por Edward Norton que afirma ter participado na escrita do guião mas que não aparece nos créditos.
Pelo que li foi uma pena pois existiam algumas cenas que podiam ser interessantes, nomeadamente uma onde mostram Banner a tentar suicidar-se, é quanto a mim uma cena importante para nos mostrar o verdadeiro desespero do personagem que nem sequer é capaz de se suicidar para terminar com a sua "maldição", uma vez que ao tentar tranforma-se imediatamente curando-se de quaisquer ferimentos, pois o Hulk tem uma capacidade de regeneração monstruosa (não sei se a cena decorreria assim apenas a imaginei baseado no meu conhecimento de BD).
Achei bastante curiosa a forma como usaram as transformações em Hulk para medir o tempo no filme, em vez de os comuns "passado 10 dias" ou "no dia seguinte" sabemos o tempo que passa através de um cronómetro que nos diz quantos dias passaram desde que Banner se transformou.
Em relação aos actores gostei do trabalho de todos, só tenho a apontar que achei a Liv Tyler um pouco apagada, mas talvez fosse suposto ser assim. De qualquer das maneiras entra numa das mais belas cenas do filme quando podemos vê-la a ela e ao Hulk sentados à chuva.
Gosto do rumo que estes novos filmes da Marvel estão a levar, nota-se que começam a estar cada vez mais interligados entre si caminhando para os Avengers, e se já começamos a ver alguns destes personagens em todo o seu esplendor e glória, imagino como será quando os virmos todos juntos.
Acho que podemos assumir que a partir de Iron Man, todos os filmes relacionados com os Avengers vão apresentar um cameo onde alguém irá falar deste projecto, em "Iron Man" foi Nick Fury e em "The Incredible Hulk" foi Tony Stark. Mais uma vez podemos comprovar que o papel de Stark assenta que nem uma luva no excelente Robert Downey Jr. que em menos de cinco minutos nos porporciona uma das melhores cenas do filme.
Concluindo, para mim o "Iron Man" ainda é o actual campeão do género este ano, mas apesar de estar uns furos abaixo este "The Incredible Hulk" também vale a pena.

17 comentários:

Francisco disse...

Hulk foi sempre o personagem da marvel que menos gostei, talvez por pensar o mesmo que tu, que era demasiado violento e assim. E deste filme espero o mesmo, mas mesmo assim faço tenções de provar de a minha opinião tem fundamentos ou não. Abraço

Luis disse...

Gosto em ver que acabaste a gostar deste filme.
Também senti falta de um certo desenvolvimento da personagem de Bruce Banner. Faltou a dualidade Banner/Hulk.

Uns apontamentos, ou melhor, informações segundo o que li.

1. O Hulk diz uma única vez "Hulk esmaga" lá pro fim do filme.

2. Norton não aparece nos créditos por causa de uma regra da WGA que diz que um guionista para ser creditado tem de escrever no mínimo 2/3 do filme.

3. A cena do suicídio, por muito boa que seria (até pelo cameo do Capitão América que estava prometido), chocava com a cena em que Banner se atira do helicóptero sem saber se se transformaria ou não. A segunda tornava a primeira insignificante e a primeira fazia da segunda uma acto desesperado em vez de coragem.

looT disse...

Francisco: Eu gosto muito de violência, mas por acaso o Hulk também nunca foi dos personagens que mais me atraiu, mesmo assim tem coisas muito boas, se puderes lê o "Hulk-Cinzento" do Jeph loeb e do Tim Sale.

Luís: Não o achei fabuloso, mas sim no geral gostei :)

Em relação às informações:

1. Sim ele diz a frase neste filme, mas o que eu queria dizer era que ele nunca a disse no filme de Ang Lee, estive a reler o texto e de facto não estava muito claro por isso já corrigi, obrigado ;)

2. Li isso algures e por isso é que disse que provavelmente a maioria do que ele escreveu estava nos minutos cortados e por isso o que sobrou não chegou aos 2/3, mas não posso confirmar.

3. Talvez, mas no helicóptero ele não sabia se se transformaria porque podia já estar curado. De qualquer das maneiras acho que não deviam ter mostrado essa cena no trailer porque já todos vimos que ele se ia transformar e sobreviver.

Abraço aos dois

gonn1000 disse...

Gostei do filme do Ang Lee, este anda não vi mas também não estou com grandes expectativas. E o que eu queria mesmo era um filme centrado na fase do Peter David, com o Rick e a Margo e o Hulk inteligente (mas é claro que não vai acontecer tão cedo). Melhor ainda seria um filme da Mulher-Hulk, poderia dar uma grande comédia :)

Bongop disse...

Grande review looT!
Agora fiquei com um problema existêncial... se cortaram 70 de filme, acho que não vou ver :|
Prefiro esperar pelo DVD !

celtic-warrior disse...

Ainda tenho de ver o filme, provavelmente em casa.
Isso de cortarem 70 minutos de um filme é obra! Mais valia não os terem cortado.

Fifeco disse...

Eu compreendo que as pessoas gostem desta fita, já que oferece muita espetacularidade a nível visual. Mas falta-lhe muita substância e essa eu considero-a essencial para a credibilidade de um filme. E em termos de blockbuster, falta-lhe qualquer coisa.

Agora fico à espera pelos "Avengers", se é que algum dia virão a existir em fita.

Abraço

Menphis disse...

Tenho de ver este filme. Assim como o Iron Man, é quase imperdoável eu ainda não ter visto esses filmes.

Anita :) disse...

ia vê-lo este fds...mas, depois "o Orfanato" gritou por mim:)))
mas, no próximo não me escapa:)

já agora o filme espanhol é excelente:)))

beijinho e, continuação de uma excelente semana:)

ângela disse...

Não gostei muito deste filme, infelizmente. Gostei do Edward, sim. :)
Iron Man has got the power!!! =D*

looT disse...

Gonn1000: Tão cedo não vaia acontecer de certeza, fica a questão se irá acontecer algum dia? O Rick após este novo nascimento do Hulk é uma personagem que já não faz muito sentido existir.
A Mulher Hulk pensei que poderia aparecer no filme dos "Avengers" mas já mudei de ideias.

Bongop e Celtic: Obrigado. Em relação aos 70 minutos, pode ter sido algo negativo, mas também pode ter sido positivo podiam ter tornado o filme mais aborrecido, é uma questão a descobrir. Este tipo de filmes é sempre giro ver no cinema por causa dos efeitos especiais.

Fifeco: Foi como te disse, gostei do filme tem momentos de bom entretenimento e dou-lhe nota positiva, mas podia ter sido melhor, faltou ali qualquer coisa para poder ser um filme memorável. De qualquer das formas comparando com algumas adaptações anteriores da Marvel, como Ghost Rider e Daredevil, este é muito bom.
Filme dos Avengers vai haver de certeza espero é que com o sucesso que estes filmes estão a ter, eles não queiram apressar as coisas e estragar tudo, já ouvi o realizador do Iron Man queixar-se disso por causa do Iron Man 2.

Menphis: Imperdóavel não é ;) Mas se puderes vê, principalmente o Iron Man.

Anita: Eu vi ontem o "The Happening" tal como tu gostei muito :)

Ângela: Sim o Iron Man está fantástico, agora que venha o tão aguardado "The Dark Knight"!

QUEIROZ disse...

Vale muito a pena sim. Acho ainda estranho a ideia de Iron Man e Hulk terem continuações, muito embora no caso do segundo pareça muito mais plausível por causa do Mr.Blue que vai virar o Lider. Mas, acho que esses filmes estão com maior cara de saga e estou gostando disso. Thor e Capitão América, tem a obrigação de alcançar a mesma qualidade, pelomenos do Iron Man, gostaria que seguisse mais a desse pois nosso caro Hulk tem uns buracos no roteiro imperdoáveis.

Isso aí Loot, valeu!!

looT disse...

O Iron Man também tem muita história para uma sequela e se mantiver a qualidade do primeiro filme, vais er fantástico.
Tal como tu também espero que consigam manter esse nível de qualidade nos próximos projectos.

Abraço

ArmPauloFerreira disse...

Acho este Hulk (2008) um filme muito interessante e cheio de dinamismo. Em termos de dinâmica de acção é o oposto do Hulk de Ang Lee. Mas mesmo assim acho o filme de Ang Lee superior em muitos aspectos. Primeiro o visual do próprio Hulk nesta versão de 2008 está a descambar para o ridiculo e com Ang Lee esteve certeiro. Ang Lee com técnica CGI menos evoluida fez um Hulk mais realistico que o francês nos deu (que parece um boneco de borracha... e que pele é aquela que ele tem?).
Depois há vários detalhes, tais como o aumentar de raiva o tornar mais forte (e maior em tamanho) que com o Ang Lee isso esteve assegurado, e várias vezes demonstrado e em 2008 vez parece que se esqueceram totalmente disso.
O Edward Norton é um grande actor mas não vejo nele o Bruce Banner que conhecia da BD. E nesse aspecto achei superior, e até mais parecido com os desenhos (dos anos 80) o Eric Banna, que deixava um tom de "nerd/geek" inseguro e de amaldiçoado.
Não me quero alongar mas dos dois filmes do Hulk, a versão de Ang Lee é a única que respeito e muito aprecio.
Adoro vê-lo e não deixo de o espreitar sempre que passa mais uma vez no AXN.
Acho que a Marvel errou ao neste ficar-se pela indecisão de ser uma continuação ou não do de 2003. Do de 2008 achei que acertaram muito bem na escolha da Liv Tyler, mais em sintonia e parecida com a personagem da BD que conhecia (foi neste único aspecto que não concordei com o Ang Lee - isso e os cães e... o desaproveitar do Homem Absorvente)

Loot disse...

Concordo contigo Arm.

No que toca ao Norton até se provou agora um erro crasso pois já abandonou o projecto e era muito mais giro vermos os mesmos actores a entrarem no avengers. Bana foi uma óptima escolha tive pena, aliás eu faria uma sequela e não um novo começo.

Agora vai ser Ruffalo que também tem mais ar de Banner do que o Norton.

Abraço

ArmPauloFerreira disse...

Eu sei disso. No The Avengers vai estrear um novo Hulk (desconfio que cada Hulk será sempre assim... um diferente actor em cada filme).
Não sou o maior apologista do Mark Ruffalo como Bruce Banner. É na verdade mais parecido com o Bruce Banner que conhecia do que o Edward Norton. E ele transmite mais o ar de cientista e pessoa atormentada, algo que o Norton não "vendeu" na sua versão (era mais um fugitivo espertalhaço).

Seria interessante ver uma review tua ao filme de Ang Lee... mas já passou a fase. talvez se faça no futuro um comparativo dos 3 recentes Hulks no cinema.

Contudo, com todas estas mudanças nas versões Ultimate, até poderá ser o novo actor a escolha acertada. Pelo menos ele tem "carisma" e estatuto junto das outras vedetas.
Será que ele vai ser, tal como nos "Ultimates" uma espécie de ameaça/vilão? Temos de esperar para ver...

Mas pessoalmente sinto-me totalmente desactualizado ao esbarrar com a renovação que as personagens tiveram nos últimos 10 anos. Isto dos Ultimates...

Tens aqui espantosos artigos que dão vontade de voltar e até para o reler de novo. E ficar mais actualizado.
Parabéns Gabriel "loot" Martins!

Loot disse...

Muito Obrigado :)

Agora não ando tão actualizado, não leio Marvel há bastante tempo.

Mas os Ultimates valem muito a pena, adorei. Até era para ter falado do 2º volume aqui porque ainda gostei mais do que do 1º. (Ultimates escritos pelo Mark Millar que são o 1 e o 2´, o 3º ainda não li e muda de escritor). Se puderes espreita acho que não te vais arrepender.

Também prefiro o Hulk de Ang Lee a este, tinha de o rever para falar dele.

Abraço