quarta-feira, julho 16, 2008

Optimus Alive 12 de Julho 2008

O terceiro e com muita pena nossa, último dia do festival tinha chegado. Se o dia anterior tinha sido o mais variado este por sua vez era sem dúvida o mais homogéneo.
Era um dia para ter boas vibrações ou não estivessem no "Palco Optimus" Braddigan, Xavier Rudd, Donovan Frankenreiter e Ben Harper. Num estilo diferente mas em nada a destoar estava um monstro do Rock N´Roll e que proporcionou um dos melhores concertos não só do terceiro dia, como de todo o festival, senhoras e senhores falo de Neil Young.
Há semelhança do primeiro dia o cartaz do "Metro on Stage" era fantástico e competia vigorosamente com o do "Palco Optimus" e como (felizmente) não houve nenhum cancelamento foi o dia de maior correria ente palcos.
Eu gostei muito da onda boas vibrações mas pessoalmente acho que era muito saudável ir alternando-a com os rasgos de loucura e electrónica que iam passando pelo "Metro on Stage". Posso dizer que o choque entre géneros soube-me mesmo bem, o que é normal uma vez que me considero uma pessoa com gostos bastante diversificados.


Hoje foi o dia em que chegámos mais cedo ao recinto e por isso aproveitámos para ir ver a exposição de Cartoon de Samuel Azavey Torres de Carvalho autor de personagens como o "Guarda Ricardo".
Aqui ficam algumas imagens.






Braddigan

O antigo elemento dos Dispatch teve a seu cargo a função de abrir o "Palco Optimus" e de receber os primeiros visitantes.
Não sou conhecedor da sua obra, mas penso que cumpriu a sua obrigação anunciando em boa forma o género de dia que ia ser este terceiro. Um dia para relaxar e simplesmente deixar-se levar por sons tribais, de reggae e de rock.


Xavier Rudd

Este conheço melhor e já tinha muita mais curiosidade em ver ao vivo uma vez que é um "One Man Show".
Desta vez vinha acompanhado de um amigo na percursão, mas não foi por isso que fiquei menos intrigado com o seu concerto que acabou por ser fantástico, não só pela qualidade das suas canções mas também pelo espectáculo de o ver tocar tantos instrumentos.
Saliento os momentos do didjirido que são absolutamente fantásticos.
No final do concerto ainda nos deixou uma mensagem, chamando-nos a atenção para que "Burrup" seja preservada.


Xavier Rudd - didjirido parte 1




Xavier Rudd - didjirido parte 2





Xavier Rudd - didjirido parte 3





Xavier Rudd - Messages



Midnight Juggernauts

Após Xavier Rudd seguia-se Donovan Frankenreiter. Pelo que conheço um artista muito similar ao Jack Johnson. Não era um concerto que tinha muita vontade de ver até porque dentro do género os que queria mais ver era Ben Harper e Xavier Rudd. Ain da para mais Donovan ia tocar ao mesmo tempo que os Midnight Juggernauts banda por qual estava ansioso ver.
Os Midnight Juggernauts lançaram o ano passado "Dystopia" um álbum que é no mínimo formidável e cuja oportunidade de o ouvir ao vivo não ia perder.
Se houve alturas em que foi díficil escolher entre estar no "Palco Optimus" ou no "Metro on Stage" esta não foi uma delas.
O concerto deles foi electrizante carregado de rock e electrónica. Infelizmente tiveram um corte de energia a meio da "into The Galaxy", mas felizmente conseguiram resolver o problema e voltaram ao palco para tocar novamente a canção que afinal era a última do espectáculo. Por esta altura o publico já estava mais do que rendido à qualidade destes três rapazes.



Midnight Juggernauts - Ending of an Era



Midnight Juggernauts - Shadows



Midnight Juggernauts - Into The Galaxy



Donovan Frankenreiter

Não tenho nada a apontar, apenas que no intervalo entre Midnight Juggernauts e Róisín Murphy deu para dar uma espreitadela ao concerto de Frankenreiter.




Róisín Murphy

Fotografia tirada por Menphis


Gosto de Moloko e gosto do álbum a solo da Róisín Murphy por isso um concerto em que passaram músicas de ambos aliado à enorme sensualidade de Róisín o resultado só podia ter sido mais do que favorável.
De cinco em cinco minutos pessoas saiam da tenda, a hora de Neil Young aproximava-se.
Penso que todos (ou quase) estávamos a adorar este concerto mas já tínhamos combinado que Neil Young era concerto obrigatório e por isso há hora exacta (porque há sempre atrasos) lá fomos nós.



Neil Young

Atrasou-se mais do que esperávamos, muito provavelmente porque estavam à espera que mais pessoas chegassem até ao recinto. Se nós soubéssemos ainda tínhamos aproveitado um pouco mais do concerto anterior mas nestas situações é mesmo impossível.
Mas a espera valeu a pena Neil Young entra em grande força no palco ao som da sua guitarra eléctrica e a partir daqui estava garantido que este seria um concerto memorável.
Aqui houve de tudo o Neil Young eléctrico que termina uma das canções a partir as cordas da guitarra e também o Neil Young mais romântico. Fantástica a canção "Mother" onde vemos Young ao piano com a imagem da Lua sobreposta.
Uma ideia que achei muito interessante foi o facto de a cada canção corresponder uma pintura diferente que ia sendo colocada no palco.
Não sou grande conhecedor da sua obra e com muita pena minha pois foi para mim o melhor concerto deste dia. Neil Young provou que ainda está aqui para o que der e vier, cheio de energia, cheio de música e cheio de boa disposição.
Se acima disse qual a decisão mais fácil deste "Alive" agora digo a mais difícil. Gossip tocou ao mesmo tempo que Young e a vontade de os ir espreitar era muita. Decidimos ficar até ao fim e esperar por outra oportunidade de ver Gossip. Assim fomos presenteados com uma fabulosa cover dos Beatles "A Day in the Life".
Por outro lado o concerto de Gossip parece ter sido dos mais loucos deste festival. Como não vi deixo-vos um link do Já Cheiro o Samádhi que mostra várias pessoas a subirem ao palco no final do concerto durante a "Standing In The Way Of Control", filmado pelo Maurobindo.



Neil Young - Keep On Rocking In A Free World (Parte 1)




Neil Young - Keep On Rocking In A Free World (Parte 2)




Ben Harper

Arrisco-me a dizer o nome mais esperado do dia. O público já estava conquistado antes de Harper pisar o palco. Aliás já em Neil Young pessoas guardavam o lugar para este concerto, eus ei disto infelizmente porque não se calavam que queriam ver Ben Harper e não Neil Young. Ora se não querem ver ninguém vos obriga, acho uma total falta de respeito incomodar quem pagou e se dirigiu ao festival para assistir a este concerto, mas isto são histórias que não interessam.
Nunca tinha visto Ben Harper ao vivo mas pelo que conheço dos seus concertos arrisco-me a dizer que "foi mais do mesmo" mas quando se trata de Ben Harper o mesmo é sempre interessante.
Foi um concerto que começou algo "morno" mas que foi crescendo ao longo do tempo terminando de uma forma fantástica. Pelo meio houve tempo para Donovan Frankenreiter subir ao palco e cantar "Diamonds on the Inside" com Ben Harper.
O momento alto foi sem dúvida, perto do final, quando Harper pede ao público para cantar com ela Good Luck/Boa Sorte. Aliás o nome da canção nunca foi proferido mas todos sabíamos do que ele estava a falar quando pediu para cantarem com ele. Sem dúvida um momento inesquecível.



Ben Harper e Donovan Frankenreiter - Diamons on the Inside (Parte 1)




Ben Harper e Donovan Frankenreiter - Diamons on the Inside (Parte 2)




Ben Harper e Donovan Frankenreiter - Diamons on the Inside (Parte 3)




Ben Harper - Boa Sorte/Good Luck


E assim se passaram três dias fantásticos. Com muita amizade, muita música e muitos líquidos.
Para o ano há mais, para já a organização já garantiu ter um nome de peso no próximo cartaz, mas para já só revela que esse nome começa por D.
Há apostas? Eu escolho já David Bowie e se for ele lá estarei novamente.

Fotografia tirada por Cube

6 comentários:

Fifeco disse...

Este era um dia ao qual gostaria de ter assistido.

Apenas um à parte. Já viste o trailer do watchmen? E os primeiros minutos do "Dark Night"?

Visita o blog Xp

Abraço

cube disse...

Depeche?

cube disse...

Olha os meus pés:)

Menphis disse...

Aqui um jornal já disse que é muito provável que deve ser Bowie mas..ainda é cedo, a partir de Setembro já sabemos de algo.

Mas, valeu bem a pena este Festival :)

looT disse...

Fifeco: Já lá fui ;)

Cube: também eram muito bem vindos :)

Menphis: Oxalá!

Anita :) disse...

Obrigado pelas reportagens:) para as pessoas que não puderam ir (like me) já deu para ficar com um cheirinho do que foi o festival:)

Já vi o Ben Harper ao vivo e, também gostei muito!!! ele é muito simpático e, tem boa voz ao vivo tb:)

Bjo