quarta-feira, novembro 02, 2011

Os Novos 52

Um pouco tarde, mas aqui ficam as minhas primeiras impressões dos comics que ando a seguir dos "Novos 52 da DC".



JLA #1



Jim Lee regressa a lado do "Man of the hour" da DC, Geoff Johns.
Logo a início somos avisados que esta história decorre 3 anos antes da cronologia usada nos comics das respectivas personagens.
É um novo início para esta Liga e Johns quer contar a história com calma, saboreando cada momento e por isso mesmo não se optou por colocar todas as personagens da equipa neste primeiro número.
Aqui seguimos Batman a perseguir um E.T., enquanto ele próprio é perseguido pela polícia. Batman é portanto procurado pelas autoridades e considerado uma ameaça para Gotham City.
Durante a perseguição surge Hal Jordan aka Green Lantern, afinal se envolve criaturas alienígenas isto é um caso para a polícia universal. O momento em que estes dois heróis se conhecem é bastante engraçado, vemos por exemplo que o Lantern pensava que o Batman não passava de uma lenda urbana e a sua expressão quando descobre os "poderes" de Batman é excelente.
Tinha algum receio de ver como seria o Batman de Johns, pois o autor não é famoso pela escrita desta personagem. Mas até agora está tudo OK e para minha surpresa até o colocou a ridicularizar o Lantern (vamos pensar que Jordan é muito novato).
A personagem de Victor também é introduzida numa história em paralelo naquele que é o substituto do Martian Manhunter na formação original da Liga. Tenho pena, não conheço muito bem o Cyborg nunca segui Teen Titans, mas o Marciano é membro fundador da Liga e de todos é o único que falha neste novo início, não devia. O que me deixa mais tranquilo é que ele estará junto de uma equipa que tem tudo para brilhar, falo de Stormwatch. Mas esse vou adquirir em trade paperback e falarei mais tarde.
Este é uma boa opção para quem quiser ler BD da DC e não conhece muito bem este universo. Os que conhecem adiantam-se um bocadinho e ficam logo a saber quem é o vilão que está por detrás desta trama.
No número 2 vamos ter Superman VS Batman & Green Lantern. Mal posso esperar.





Detective Comics #1



Esta publicação é dedicada a Batman. Estamos perante um Batman em início de carreira. Harvey Dent ainda é um promotor público e duvido que já tenha existido algum Robin.
Para primeiro vilão temos o maior deles todos, The Joker.
O duelo entre Joker e Batman é interessante, mas é o final da história que me deixou mais intrigado. É um daqueles momentos what the fuck? Que realmente só podia ser executado pelo Joker, não imagino mais nenhum vilão a ser capaz de tal coisa.
Não faço ideia como isto vai terminar, mas para já promete.
O argumento e desenho estão a cargo de Tony S. Daniel.




Action Comics #1



Se a de cima é dedicada a Batman esta só podia ser ao Superman. E juntamente com essa foi das minhas leituras preferidas desta nova vaga.
Aqui também Superman é jovem nestas andanças. Já está em Metropolis a trabalhar num jornal rival ao Daily Planet e é portanto concorrente de Lois Lane. Os seus poderes ainda não estão totalmente desenvolvidos, é um super mais fraco, menos resistente e que ainda não tem a capacidade de voar. Uma abordagem que gostei bastante.
O escritor, e a razão porque decidi comprar, Grant Morrison, opta por trazer-nos um Super diferente ao que estávamos habituados. Kal-El é mais arrogante é certo mas a sua atitude rebelde de esquerda a lutar contra o sistema, preocupado sempre com os mais desfavorecidos é executada com muito estilo. Não me parece que este Super seja manipulável politicamente como era o escrito por Frank Miller.
Diz quem conhece melhor que este Super tem muito do mais antigo.
De salientar também a introdução de Lex Luthor. Frio, calculista, manipulador e sem escrúpulos, que tem neste número a função de prender o alienígena que anda a saltar pelos prédios de Metrópolis. Luthor é implacável, Kal-El mal sabe o que o espera.
O desenho é de Rags Morales.





Batman #1



Scott Snyder e Greg Capulo trazem-nos o primeiríssimo número de Batman. E aqui se começa a notar que este "novo" universo da DC alterou muito pouca coisa em relação ao antigo, provando-se desnecessário. Os Robin's são os mesmos e o actual é precisamente Damian o filho de Batman que era já o actual no universo antigo. No fundo disseram-nos que estamos perante um novo começo, mas as ligações ao passado são idênticas salvo excepções pontuais como a personalidade de algumas personagens ou o facto de Barbara Gordon ter recuperado a mobilidade nas pernas.
O livro começa com Batman a invadir o Asilo Arkham lutando contra vários vilões (aqui já temos Two Face) aliado a Joker?????
Depois do momento Batman o livro segue num momento Bruce Wayne onde assistimos a um belo discurso sobre a sua cidade de eleição. O auge tal como em Detective Comics é o final que nos revela um suspeito inesperado na investigação de Batman. Claro que não é ele o culpado, mas ainda assim aguçou o apetite para descobrir aonde isto vai dar.






Superman #1



Este juntamente com a Liga não estava nos planos de compras. Os comics saem muito caros.
Porém acabei por decidir arriscar até para ver se os acontecimentos em Action Comics se poderão notar neste.
Novamente sentimos uma desilusão em termos de "novo universo DC". Tiraram-lhe as cuecas por cima do fato e modernizaram o espaço e personagens. As pessoas usam o twitter, o jornal impresso sofre problemas com a evolução do digital, enfim situações que facilmente seriam introduzidas no universo tradicional, afinal de contas presidentes são eleitos, monumentos construídos, mas os super-heróis mantêm-se, intocáveis pelo tempo.
Seguimos a aquisição do Daily Planet por um novo empresário e um estranho inimigo que acabará a defrontar o grande azulão. De todos foi o que menos apreciei.
George Perez escreve e Jesus Merino desenha.

6 comentários:

Bongop disse...

Houve títulos que só sofreram reboot de numeração, como são os casos de Batman e Green Lantern, ou seja, os título que melhor vendiam da DC.
Existem mais bons títulos no meio dos 52. Tenho estado a observar online, é fácil sacar estes nº1 e 2!
:D

Abraço

Loot disse...

Do Green Lantern eu sei. Do Batman pensava que não. Quer dizer que neste Batman a Barbara ainda está na cadeira de rodas?

Sinceramente ainda acho pior andarem a manter uns num universo e outros noutro. Mais valia fazer como a Marvel e ter a linha ultimate.

Eu na net li o Catwoman. Mas estes quis mesmo ter :)

Abraço

ψ Psimento ψ disse...

Hmm definitivamente não é agora que vou começar com DC. Marvel já me ocupa muito tempo. Não ponho duvidas sobre a qualidade mas é algo que depois de começar a ler já sei que ia querer seguir.

Tens de ver Harper's Island... MESMO!!

É que é daquelas series excelentes na minha opinião porque tem 13 episódios e acabou. Deram-lhe um principio um meio e um fim, nada de se ficar um ano à espera de novas temporadas....
Abraços

Loot disse...

Se mudares de ideias segue o Detective e o Action para já os melhores :P

Se uma série mantiver o nível de qualidade não me importo que se prolongue (The Wire, Six Feet Under, Sopranos).
Gosto de mistérios, acho que vou espreitar essa. Se bem que é capaz de levar algum tempo ando a ver demasiadas agora :S

Abraço

Augusto Fernandes Sales disse...

Cara, estou meio por fora dos títulos regulares de super-heróis há uns quatro anos. A cronologia da DC foi TODA zerada?

Abraço.
regthorpe.blogspot.com

Loot disse...

Antes de mais essa imagem do Morpheus e da Death mostra que partilhas a minha paixão por Sandman :)

Augusto todos os títulos da DC voltaram ao número 1. São 52 ao todo, se bem que (acho) há última da hora a DC acrescentou a JSA fazendo 53.

Quanto à cronologia não foi apagada em todos.
Do que eu entendi até agora há comics que vão continuar a decorrer no seguimento dos antigos, como é o caso de todos os dos Green Lanterns. Depois do que o Geoff Johns fez com eles jamais iam apagar isso tudo.

Agora títulos como o Superman, JLA, Stormwatch e a grande maioria. Vão decorrer num novo universo DC.
Isto fez-me pensar que íamos voltar ao início, começar tudo do zero. Mas não, há imensas ligações com o passado que são idênticas às do antigo universo. Coisas que mudaram foi a Barbara Gordon já não estar paraplégica por exemplo.

Supostamente tudo isto é para aliciar novos leitores, pessoas que podiam pegar nos livros e ler sem saberem nada. Tal como foi o universo Ultimates para a Marvel (mas estes nunca cortaram com o antigo).
No entanto as coisas não são bem assim e apesar de os #1s terem sido um suceso de vendas (como se esperava) agora é que vamos ver se deu frutos ou não.

Deixo aqui um vídeo a brincar com esta estratégia de marketing da DC.
Enfim uma confusão como a DC gosta:

http://www.youtube.com/watch?v=jH3W1gQYiD4&feature=player_embedded