terça-feira, setembro 14, 2010

Pluto

Quando li o primeiro volume de Pluto fiquei logo conquistado. Partilhei aqui essa leitura confiante de que era uma obra em que se devia apostar. Hoje volto a falar dela após a ter terminado e volto a confirmar e sublinhar o quão fantástica e divertida esta viagem foi.
Alterei um pouco o texto pois assim em vez de dizer que o volume 1 é muito bom já posso dizer que todos 8 volumes são excelentes.
Naoki Urasawa é um nome bem conhecido do mundo da BD, mais especificamente do mangá. É o autor de "Monster" e "20th Century Boys" as suas duas séries mais premiadas até à data.
Em 2003 decidiu embarcar numa nova aventura, de nome "Pluto" (vencedor do grande prémio Tezuka Osamu Cultural Prize) ao reiventar a história clássica de Astro Boy, "The Greatest Robot on Earth", aproveitando assim para voltar a dar vida a uma das histórias que mais o marcou durante a infância e homenagear ao mesmo tempo o seu criador Osamu Tezuka.
A primeira grande surpresa do livro é que Astro Boy (Mighty Atom numa tradução mais literal do japonês) não começa por ser o seu personagem principal, mas antes Gesicht um robot detective alemão de aparência humana.
A história tem início precisamente com Gesicht a investigar a ocorrência de dois homicídios. O primeiro trata-se da morte de Mont-Blanc, um robot Suíço protector da natureza, que era não só um dos sete robots mais avançados tecnologicamente como também um dos mais amados pela população tendo estado envolvido em várias acções humanitárias sendo por exemplo um dos grandes responsáveis pela actual paz na Ásia após a 39º guerra central. A segunda vítima é Bernard Lanke um humano envolvido profundamente nos movimentos defensores dos direitos dos robots. Dois homícios, um robot e um humano, cometidos em locais diferentes e sem qualquer ligação aparente salvo a excepção de que ambos os corpos foram decorados com objectos na cabeça para terem a forma de cornos. Esta única semelhança é tão particular que é suficiente para Gesicht assumir que os casos estão ligados.
Os robots são construídos de forma a não serem capazes de matar humanos (apesar de uma excepção já ter ocorrido) e nenhum vestígio humano foi encontrado em ambos os locais do crime, o que dificulta a questão de "o quê ou quem cometeu estes crimes horrendos?".
Como tinha referido um robot já tinha sido capaz de matar um humano, seu nome Brau 1589, a sua localização, Bruxelas numa instituição correccional de alta segurança para robots. A cena em que Gesicht o questiona é uma das minhas predilectas evocando ambientes que relembram momentos clássicos do género, como o mítico encontro entre Hannibal Lecter e Clarice Starling em "Silence of the Lambs". Quando a cena termina só desejava que voltássemos a encontrar este mítico robot, felizmente o desejo concretizou-se, pois os encontros entre Gesicht e Brau 1589 irão continuar ao longo do livro e serão de grande importância..
"Pluto" é um mangá policial de ficção científica, com uma história extremamente bem desenvolvida e que se desenrola a um ritmo frenético mantendo-nos sempre presos à trama, a querer saber cada vez mais e mais sobre este mistério.
No primeiro volume a investigação de Gesicht alterna com outra história dedicada ao robot escocês North No. 2, também ele um dos sete magníficos (os mais poderosos robots) que combateu na 39º guerra central da Ásia e que começa agora uma nova forma de vida ao se tornar mordomo de um famoso pianista cego. Este pequeno momento dedicado a North No. 2 e que explora o desenvolvimento entre a sua relação e a deste pianista amargurado pelo tempo é de uma beleza notável e que mostra que os robots também podem sonhar ou ser atormentados pelo passado, fantástico.
Robots mais humanitários que um ser humano, um cientista que tentou criar a Inteligência artificial perfeita, um crime escondido e um urso de peluche que aparenta estar por detrás de toda a conspiração, são alguns dos ingredientes desta grande obra, absolutamente imperdível.
Um dos objectivos de Naoki Urasawa ao criar "Pluto" era também que leitores mais jovens tivessem curiosidade em ir descobrir o clássico dos anos 50, "Astro Boy". Por mim posso já dizer que funcionou, nunca li nem vi o animé, mas irei definitivamente procurar os livros desta obra de Osamu Tezuka.
Como não conheço a obra em que esta foi baseada não as posso comparar a qualquer nível, porém ao ler "Pluto" o nome de Isac Asimov surgiu mais do que uma vez na minha mente, pois também aqui os robots e a inteligência artificial são explorados de uma forma muito interessante.
Além de Urasawa, "Pluto" conta também com Takashi Nagasaki como co-autor e com a supervisão de Macoto Tezka (filho de Tezuka).

8 comentários:

Bongop disse...

Áhá!
Também te estás a meter no mundo da manga! Seu vendido!
:D
Não li Pluto, mas tenho ouvido muito bem dessa série!

Abraço

looT disse...

ahah eu adoro Manga, desde que li Akira quando era miúdo, aquele mundo criado por Katsuhiro Otomo é fascinante. mas naquele tempo não era fácil entrar neste mundo, agora com maior disponibilidade e traduções em inglês é muito mais acessível.

Mesmo assim há séries que nunca mais acabam que sempre tive dúvidas em "como deveria entrar no mundo da mangá".

E pronto é ir lendo e ver o que se gosta mais e este Pluto está a ser muito bom. O vol. 2 já vem a caminho, aconselho.

Hugo Teixeira disse...

Também já li o volume 1

Quero mais... :D

Loot disse...

Eu já li o 2 :P

refemdabd disse...

Posso agora dizer que já li alguma Manga. De tudo o que até agora li, Urasawa ocupa o lugar cimeiro na minha predilecção. Desde 20th Century Boys (que vai no 10º volume publicado na língua inglesa) a Monster. Mas, Pluto, para mim, é até agora o que mais me absorveu na leitura. Conhecendo Astro Boy, foi ainda melhor, para ver o que esta adaptação ao séc. XXI e a um público bem mais maduro (aqueles que leram e viram Astro Boy em primeira e segunda mão) conseguiu. Urasawa é um mestre, não há dúvidas. Osamu Tesuka ir-se-ia arrepiar.

Loot disse...

Urusawa é mesmo um mestre. 20th century não li ainda mas já comecei monster e será a próxima série de manga a seguir.

Não conheço assim tantos autores por isso não valerá de muito dizer que é um dos preferidos, mas até agora é e sinto que se manterá no topo, Pluto foi viciante :)

Manuel Frederico disse...

Por ter robots parece apelativo apesar de não ser o meu tipo de robots favoritos,isso e a leitura á japanesa já sao 2 factores contra.

Loot disse...

Os robots são muito avançados e exploram-nos de forma a estes robots serem capazes de sentir, sonhar, etc. Eu acho que a história vale muito a pena.

Quanto à forma de ler, não sei se já experimentaste, mas é muito fácil, habituamos-nos rapidamente a ler na ordem inversa, experimenta porque Manga é um mundo riquíssimo :)

abraço