terça-feira, julho 14, 2009

Transformers: Revenge of the Fallen

Michael Bay costuma ser daqueles realizadores que as pessoas ou adoram ou detestam, falando de uma forma (muito) geral. No entanto e independentemente do gosto de cada um há que lhe reconhecer mérito, afinal de contas não é qualquer pessoa que é capaz de gerar receitas de bilheteira de tal magnitude.
Pessoalmente é um realizador que me diz pouco, a maior parte da sua filmografia pouco ou nada me interessa, por isso foi com alguma surpresa que assisti ao primeiro "Transformers" que longe de ser perfeito conseguia cumprir até certo grau aquilo que eu esperava de um filme sobre este Universo.
Com o tempo venho a constatar que Bay consegue criar premissas minimamente interessantes, ou seja, a ideia é boa a sua exploração é que costuma falhar, ora veja-se o caso de "The Island" ou "Transformers" cuja introdução é bastante cativante mas aquando do seu desenvolvimento Bay perde-se em fogos de artifício deixando a forma prevalecer sobre a substância.
Ora uma vez que a introdução a esta raça alienígena já havia sido feita no primeiro capítulo em "Revenge of the Fallen" o realizador perde-se logo no início o que resulta numa sequela completamente banal.
Em "Transformers: Revenge of the Fallen" ficamos a saber que o primeiro contacto desta raça com o nosso planeta ocorreu há milhares de anos atrás por um grupo de Primes, os ascendentes de Optimus.
No presente os Autobots criaram juntamente com os humanos um grupo de operações especiais chamado NEST e que tem por objectivo caçar os restantes Decepticons que continuam na Terra. Bumblebee por seu lado continua a ser o guardião de Sam (Shia LaBeouf) que se encontra prestes a partir para a Universidade.
No final do capítulo anterior pudemos vislumbrar a retirada "corajosa" de Starscream. Pois bem ele está de volta e desta vez trás um exército consigo a fim de recuperar o seu antigo líder e de continuar a sua procura incessante por Energon, a energia necessária para a vida dos Transformers.
Com a destruição da Allspark todos pensavam que a busca por Energon estava perdida mas um inimigo do passado irá emergir em busca de um segredo que se tem mantido escondido há muito tempo.
É uma pena que com tantos Transformers interessantes como Ratchet ou Ironhide tenham optado por dar tanto tempo de antena aos irritantes Mudflap e Skids, dois gémeos que têm a mania que são gangsters.
Este era o filme que ia trazer o tão famoso Devastator, um robot gigante composto por um conjunto de transformers. No filme foi uma desilusão esperava muito mais.
Os humanos continuam a ser usados maioritariamente como comic relief veja-se o caso dos pais de Sam ou do seu companheiro de quarto, Leo (Ramon Rodriguez) ou até mesmo o regresso do alucinado Seymour Simmons (John Turturro).
Megan Fox continua o seu papel como Mikaela Banes a namorada de Sam que agora se encontra a trabalhar com o pai saído da prisão. Mikaela é uma mulher de armas e continuou a ser das coisas mais agradáveis para os meus olhos durante a visualização deste filme (é impressão minha ou aqueles lábios aumentaram?).
É sempre uma honra e alegria ouvir Peter Cullen a dar voz a Optimus Prime um dos personagens mais interessantes desta saga e que neste filme assume um enorme papel. Só é pena o filme não lhe fazer jus. Bumblebee continua bastante divertido e neste filme podemos ver também a sua alma de guerreiro.
Megatron foi outra desilusão uma vez que neste filme perde todo o seu carisma de vilão e é reduzido a um mero peão neste jogo. Jamais imaginei o temível líder dos Decepticons assim.

SPOILERS

Apesar de num estilo completamente diferente do da série animada teve piada ver Jetfire que tem a particularidade de ser um antigo Decepticon que passou para o lado dos Autobots.

E com tantas pessoas a trabalhar neste filme será que ninguém achou que colocar um Transformer a imitar um cão com cio na perna da Megan Fox não era uma boa ideia?

8 comentários:

Menphis disse...

Sabes o que o Bruno ( Sacha Boren Cohen) diz deste filme: " o Bruno é como o Transformers mas não é gay " LOL

Fifeco disse...

O filme é uma tremenda perda de tempo. Tinha condições para ser algo de muito melhor, sobretudo após o "excelente" primeiro filme que me surpreendeu muito.

É pena mas Bay nunca consegue ser consistente. Ora surpreende ora desilude. O que vale é que, pela logica, o próximo filme será uma surpresa.

Abraço

na outra banda disse...

adorei o primeiro. para filme "pipoca" foi impecável, mas bay, passa a imagem do gajo que factura dinheiro e os 400 milhões que o filme já abocanhou , deve encher-lhe bem o ego.
quero acreditar que vou conseguir ver o filme e divertir-me um pokito, mas tenho plena noção que depois do sucesso do primeiro, o segundo seria um festival de efeitos e explosões, deixando de lado algum "conteúdo" que possa ter.
sim, se peter cullen, com esse vozeirão, é meio filme! :0)

celtic-warrior disse...

Não vou ver este nem que me paguem. Nem a bela da Megan me convence a ir à sala de cinema... É uma pena de facto.

csa disse...

Não vi o primeiro filme, mas acho que arranjo quem me empreste o DVD.
Fui ver o segundo, porque gostava muito dos desenhos animados dos Transformers, que via quando era jovem.
Fiquei extremamente decepcionada!
Detestei as piadas tolas, que pareciam ser o principal actividade das personagens humanas, e os gags de mau gosto, como o que é referido no post.
Estive quase para me vir embora no intervalo, mas a curiosidade foi mais forte.
Foi um dos piores filmes que vi nestes últimos tempos.
Mas o cartaz está bem conseguido. Pelo menos na minha opinião!

Barbara Lourenço disse...

Boas!
Pessoalmente não achei o filme mau de todo! Admitidno que não foi tão bom como o primeiro, e isto estou plenamente de acordo, creio que ainda deu para ficar com o bichinho até ao fim e pensar: "já agora deixa ver como é que isto acaba!"
Concordo plenamente com a (e para mim foi) GRANDE desilusão de Megratron...(nesta parte enchi-me de pipocas) E em relação à menina dos lábios cada vez maiores, para mim e não aceitem a opinião como feminista, não passa de uma figura que por lá anda aos saltos e que nem um arranhão se deram ao trabalho de colocar na sua bela carinha laroca...

Para finalizar admito que dei umas valentes gargalhadas com o (spoiler) parte do cão e.. Megan Fox e ...blabla ;)

looT disse...

Menphis: Não sabia :P

Fifeco: Não acho que os seus filmes sigam tanto essa lógica por isso não estou com grandes esperenças para o 3.

Na outra banda: E foi precisamente iso que aconteceu. Também já contava com isso mas pronto lá fui satisfazer a curiosidade e é sempre uma honra ouvir Peter Cullen :)

Celtic: A bela Megan dá para ver de outras formas não é preciso ir ver o filme de facto.

CSA: Depois deste dificilmente ficarás mais desiludida com o primeiro, por isso tenta ver. Podia ser melhor mas a primeira metade até está bastante bem consguida como o início na base militar ou a chegada dos autobots.

Bárbara: Mas essa é a função da Megan Fox :)

O Megatron foi uma tristeza, vê-lo reduzido daquela maneira, enfim não era o Megatron. E já aproveitavam mais o Starscream que estranhamente se estava sempre a babar ou é impressão minha?

Gonçalo Trindade disse...

O filme é longo, parvo e, apesar dos efeitos visuais (que aqui nem surpreendem tanto como no primeiro), rigorosamente banal. E realmente, ver o Megatron reduzido daquela forma... enfim :/. Deviam era pôr o Michael Bay a realizar videoclips ou assim...

Abraço