domingo, janeiro 17, 2010

Oh Captain My Captain!

Após ver o final de "Where The Wild Things Are" passei o dia a recordar esse momento clássico, no final de "Dead Poets Society", em que Todd Anderson (Ethan Hawke) se levanta para cima da sua mesa e proclama "Oh Captain My Captain!".
Para mim a cena final de um filme sempre foi das cenas mais importantes, "nunca" comento um filme sem ver o seu final e é o último momento a despedida. Já não me lembro com que idade o vi pela primeira vez, mas sei que esta é uma cena que me marcou e continuará a fazê-lo até sempre.
Keating (Robin Williams) era o professor que todos queriamos ter, aqueles eram os alunos que queríamos ser e havia ainda a magia da poesia.
Anderson é obviamente o primeiro a levantar-se, seguem-se os membros do clube e outros alunos também tocados pelo professor. O traidor olha perplexo para os colegas e o toque final do rufia a levantar-se é soberbo. Faltam dois infelizmente, um por causa do fado e outro porque foi expulso.
Os olhares dizem tudo.

É por causa de momentos como este que o Cinema para muitos de nós é mágico...

6 comentários:

Anita disse...

Sem dúvida alguma.

Obrigada por este belo momento :D*

Menphis disse...

"um por causa do fado e outro porque foi expulso."

O outro era fadista ? LOL

Grande momento demonstrativo da magia de duas coisas: do cinema e da amizade entre as pessoas.

Quanto ao outro filme, tenho de ver no próximo fim de semana,

Red Dust disse...

Um momento poderoso, aliás como o próprio filme.

Abraço.

Veronica Electronica disse...

o primeiro momento cinematográfico que me fez chorar, a valer...

vês, a caracolinhos nos é a única :)

e como é?? vamos à gente sentada, ou não??
pergunto eu no samádhi?

cube disse...

sim, também eu chorei baba e ranho quando vi este filme. ainda agora as lágrimas correm, sempre que o vejo. é sem dúvida um filme fantástico.

hoje dou-lhe mais valor.

hoje sei o quanto podemos fazer pelos alunos, a influência que temos. os momentos intensos que partilhamos.

ser professor é uma aventura.

maurobindo disse...

É das cenas mais arrebatadoras e fortes da história do cinema. A sua beleza é única e o momento e significado imortais.

Tenho de rever.