terça-feira, outubro 20, 2009

Requiem Vampire Knight

"Requiem Chevalier Vampire" no seu titulo original, trata-se de uma BD da autoria de Pat "The Man" Mills e Olivier "Le Grand" Ledroi que começou a ser editada em 2000. Como refiro esta é uma saga publicada originalmente em francês, mas que também pode ser encontrada traduzida em inglês ou alemão (o título em alemão também tem uma sonoridade bestial "Requiem Der Vampirritter").
O livro que vou falar aqui trata-se da primeira compilação desta história editada pela "Panini" e que contém os dois primeiros capítulos da saga, "Ressurection" e "Danse Macabre".
Réssurection é o nome do local onde se desenrola esta história, no que aparenta ser o Inferno de Mills (já que existe o inferno de Dante porque não o de Mills também?), um local assustador e carregado de ideias alucinantes típicas do autor. Para começar todas as pessoas que vão para lá reencarnam em monstros consoante os pecados que cometeram quando ainda eram vivos. No entanto se pensam que justiça é uma palavra que faz parte do vocabulário deste mundo enganem-se, pois aqueles que foram mais maléficos em vida são os melhor recompensados. Então rapidamente podemos dizer que a classe mais baixa de criminosos re-encarna em Zombies e a mais alta em Vampiros. Por mais alta entenda-se os maiores e mais cruéis assassinos que passaram pela Terra.
Este exemplo foi apenas para dar uma ideia de como as coisas funcionam em Réssurection, pelo meio há muito mais, pois existem reencarnações específicas para todos os tipos de criminosos desde violadores, infanticidas, suicidas, etc. Os membros da inquisição juntamente com outras classes da Igreja Católica também possuem o seu lugar cativo, jamais Mills os esqueceria.
Uma curiosidade muito engraçada é que pessoas que cometeram o mesmo tipo de crimes podem re-encarnar em seres diferentes consoante a atitude que tiveram em vida, ou seja, aqueles que se enganaram a si próprios tentando convencer-se que estavam a fazer o que era correcto enquanto cometiam crimes horrendos não têm o direito de re-encarnarem como vampiros, não são dignos de tal honra, reencarnando ao invés em ghouls.
Mas o mais injusto e terrífico neste Inferno é que não é constituído apenas por criminosos, pois todas as vítimas vão lá parar também, reencarnando sob a forma de Lémures (espectros/fantasmas) e a única forma que têm de se libertar deste Inferno é eliminando os responsáveis pelas suas mortes. A ideia de que alguém que sofreu anos de tortura nas mãos de um psicótico em vida poderá voltar a sofrê-los em morte é de uma atrocidade enorme e um caso bem possível de acontecer por estas bandas. Será portanto desnecessário dizer que uma guerra entre Vampiros e Lémures está instalada por toda a Réssurection.
Neste Inferno as coisas parecem funcionar ao contrário da Terra, o próprio tempo move-se na direcção oposta e por isso todos (ou quase todos) rejuvenescem com o passar dos dias, até se tornarem em fetos e desaparecerem (quem sabe reencarnando novamente na Terra?). Apesar de ter a mesma forma redonda que a Terra, Réssurection tem fogo no lugar da terra e terra no lugar dos oceanos.
O personagem principal da trama é Heinrich Augsburg um soldado alemão que combateu e encontrou a sua morte na II Guerra Mundial. Uma vez que abraçou a carnificina de um soldado nazi, só poderia entrar no inferno pela porta grande, ou seja, como um vampiro.
Ao aterrar, confuso, em Réssurection observa uma disputa entre um grupo de zombies e um vampiro de nome Otto von Todt. Ajudando o vampiro, rapidamente cria um laço de amizade com ele e seguindo os seus conselhos acaba por aceitar ser treinado por Lord Cryptos a fim de se tornar um cavaleiro vampiro. Após ter completado o seu treino não será mais conhecido por Heinrich Augsburg, mas antes por Requiem, o cavaleiro vampiro.
A tragédia por detrás deste personagem é que em vida era apaixonado por Rebecca uma judia que foi assassinada pela Gestapo. Como seria de esperar Rebecca encontra-se em Réssurection e não demorará muito a travar contacto com ele. Dois amantes que durante a vida estavam em lados opostos voltam agora a repetir a dança durante a morte.
Com o tempo Requiem irá descobrir que existem segredos obscuros guardados dentro de si que nem ele próprio conhecia.
A título de curiosidade são imensas as figuras históricas que desfilam por esta obra, entre os vampiros temos Átila o Huno, Maximilien Robespierre, Aleister Crwoley, Nero, entre outros, e obviamente Vlad Tepes III mais conhecido por Drácula o soberano desta Réssurection.
O tempo foi algo que me confundiu a início na série, uma vez que pessoas que morreram depois de Requiem apareceram em Réssurection antes dele. Aparentemente a disposição porque cada um entra neste Inferno não segue a ordem das suas mortes.
Pat Mills afirmou que esta foi uma obra inspirada pelo tema da re-encarnação algo que ele já tinha explorado também com Ledroit em "Sha". Aqui a dupla volta a reunir-se e constrói uma obra que na minha opinião consegue ser mais grandiosa do que a anterior.
O sonho de qualquer apaixonado por BD é que tanto os desenhos como a história estejam ao mesmo nível e "Requiem" é precisamente um desses casos.
Ledroit dá uma vida enorme às ideias de Mills, a sua arte transcende as folhas de papel e facilmente nos perdemos nas suas pranchas. O seu estilo é perfeito para desenhar contos de horror. O traço, a cor, nada é deixado ao acaso por este senhor que constrói cenários literalmente do "outro mundo".
Pessoalmente considero-a uma das obras mais aliciantes de BD e uma das formas mais interessantes de explorar o conceito de Vampiro que saiu nos últimos anos.

Nota: Não encontrei imagens com melhor qualidade, mas confiem quando digo que os desenhos são de uma qualidade gigante.

4 comentários:

Bongop disse...

eheheh
Bom post!
Efectivamente é das maiores e melhores obras da BD europeia dos últimos anos. Quando comecei a ler fiquei estupefacto com a arte de Ledroit, e de seguida fiquei completamente apanhado pela estória de Pat Mills.
É uma leitura super recomendada!

Abraço

looT disse...

Camarada Bongop foi precisamente no teu blog que eu descobri esta preciosidade, muito obrigado ;)

Como já conheces muito mais da história é bom saber que ela mantém a qualidade devida.

Estou ansioso por por as mãos no vol. 2 (está quase!!!) :D

Abraço

Anónimo disse...

logo que olhei para os desenhos de ledroidt achei que o vampirão maligno era o alice cooper ou talvez o ozzy osborne! ficou muito parecido com esses dois roqueiros! fiquei muito impressionado com o teu texto esclarecendo a trama dessa obra prima! requiem vampire é mesmo um universo fabuloso e tétrico!caramba se a vida pós-morte fosse tão injusta assim, fazendo com que criminosos dos mais cruéis e violentos se tornassem vampiros super-poderosos, eu ficaria muito preocupado com a minha morte!eu não queria ter que conviver com esse caras dentuços e malvadões nesse universo bizarro!

CINE31 disse...

Não sou grande fã de terror, mas parece interessante :-)