sexta-feira, setembro 18, 2009

Inglorious Basterds

O primeiro filme que vi de Quentin Tarantino foi o clássico "Pulp Fiction" que me fez apaixonar instantaneamente pelo seu cinema. A partir daqui o nome Tarantino seria um nome a seguir. Fui buscar “Reservoir Dogs” e não restava margem para dúvidas “Pulp Fiction” não tinha sido um golpe de sorte (como se isso fosse possível) Tarantino é de facto um realizador incrivelmente talentoso, com uma bagagem cinematográfica invejável e com um talento do caraças para escrever diálogos. Estes diálogos "Tarantinescos" são precisamente aquilo que eu mais adoro nos seus devaneios cinematográficos.
Depois veio "Jacky Brown" e uns bons anos mais tarde "Kill Bill" (dividido em dois capítulos). Não estando ao nível dos anteriores (para mim) são obras cujo valor cinematográfico não se questiona. Tarantino continuava em grande. Infelizmente ainda me falta ver “Death Proof” um filme que faz parte do projecto “Grindhouse” que consistia em dois filmes que voltassem a relembrar o género com o mesmo nome, um realizado por Tarantino e outro pelo seu amigo de longa data, Robert Rodriguez de nome “Planet Terror”.
Agora em 2009 Tarantino regressa com "Inglorious Basterds" (que soa muito melhor quando pronunciado com qualquer um dos sotaques do Reino Unido). Um projecto já antigo na mente do realizador mas que só agora se concretizou.
"Basterds" é um regresso em grande e dizer isto de alguém que nunca fez um mau filme é um belo elogio. Apesar de à primeira vista parecer um filme de guerra, apresenta mais traços que nos remetem para um "western spaghetti" que apenas troca o velho oeste pela 2º Guerra Mundial.
O filme encontra-se dividido por capítulos que contam a história do Col. Hans Landa o "Caçador de Judeus" (Christoph Waltz), de Shosanna Dreyfus (Mélanie Laurent) uma judia sobrevivente e do grupo secreto caçador de nazis cujo nome dá o título ao filme.
Se o ano passado uma das melhores aberturas pertenceu a "The Dark Knight" este ano pertencerá certamente a "Inglorious Basterds". Toda a sequência respira a "Western" e o diálogo à mesa entre o temível Col. Hans Landa e o senhor LaPadite (Denis Menochet) é de cortar a respiração. Felizmente que cenas com esta qualidade é coisa que abunda no filme.
A história em si desenrola-se maioritariamente em França, três anos após a fuga de Shosanna que se encontra agora em Paris a gerir um Cinema. O Pvt. Fredrick Zoller (Daniel Brühl) enfatua-se pela jovem e bela Shosanna e sem saber do seu passado trágico tudo faz ao seu alcance para que o filme alemão (inspirado em si) "Stolz der Nation" ("A Nation's Pride") tenha a sua noite de estreia no cinema dela.
A partir daqui todas as personagens irão convergir neste cinema. Os "Inglorious Basterds" não podem desperdiçar esta oportunidade que irá reunir tantos Nazis importantes dentro da mesma sala, principalmente quando sabem que Hitler também lá estará. O infalível Col. Hans Landa também marcará presença uma vez que é obviamente o chefe de segurança, não fosse ele o melhor naquilo que faz (e sempre que digo isto em voz alta lembro-me do Wolverine).
Como é bem sabido Tarantino é um grande apaixonado pela 7º arte e como não podia deixar de ser volta a fazer inúmeras referências cinematográficas em "Basterds" muitas que provavelmente me passaram ao lado, uma vez que a minha bagagem na área é bem menor.
Houve espaço também para algumas participações de amigos de longa data tal como a narração por Samuel L. Jackson e a voz do comandante da OSS que ouvimos no final do filme que pertence a Harvey Keitel. Julie Dreyfus que já tinha entrado em "Kill Bill" tem aqui um papel escrito especialmente para ela. O amigo e realizador Eli Roth ("Hostel") também entra nesta aventura personificando o Sgt. Donny Donowitz a.k.a. The Bear Jew e digamos que declama poesia com um bastão de Basebol como nunca antes tinha visto. Mike Meyers também faz uma perninha, enfim se continuar acho que nunca mais paro de escrever sobre isto.
De resto há os tão famosos diálogos "Tarantinescos", o fetiche por pés e claro uma sempre especial atenção à banda sonora. O início de uma vingança ao som da "Cat People" de David Bowie é qualquer coisa de especial. Canção esta que pertence a outro filme ("Cat People") mas cuja letra entra perfeitamente no espírito da cena em questão.
o Leque de actores é na sua maioria fantástico. O Lt. Aldo Raine de Brad Pitt é hilariante e a sua ascendência de Indío só contribui para lhe dar características ainda mais excêntricas como a sua fixação por escalpes. Dos "Basterds" é impossível não destacar também o Sgt. Hugo Stiglitz interpretado por Til Schweiger, sem dúvida uma das maiores dores de cabeça dos Nazis.
Outro personagem que sou obrigado a salientar é o Major Dieter Hellstrom. August Diehl conquistou-me com a sua interpretação de um oficial da Gestapo na cena do café em que este se senta ao lado dos aliados. Ver o tenente Archie Hicox (Michael Fassbender) e o Sgt. Hugo Stiglitz, entre outros a interagir com este oficial nazi resultou em uma das melhores cenas que este filme tem para nos oferecer.
Para o fim deixei Christoph Waltz, o Col. Hans Landa (que tem aqui a sua 1º participação num filme Americano, mas que certamente não será a última). Waltz venceu o prémio de melhor actor em Cannes e depois de ver o filme percebe-se claramente porquê. Além de ser um poliglota invejável todas as cenas em que Waltz aparece são ouro sobre azul. O seu personagem é arrepiante e incapaz de deixar alguém indiferente. Se até nós numa cadeira de cinema nos sentimos incomodados com as suas questões, nem quero imaginar como seria um contacto na vida real com o temível "caçador de Judeus".

7 comentários:

Red Dust disse...

Como sempre, vou vendo as novidades em 'slow-motion'. Obviamente que este novo Tarantino não me vai escapar. Afinal parece ser outro momento de glória cinéfila.

Abraço.

Hugo Teixeira disse...

Ainda me falta ver esse, mas... como sabes não tenho tido tempo.

Mas vê o Death Proof, curti mais quando o vi pela segunda vez do que da primeira vez eheh!

A minha companhia já não lhe interessa muito esse filme por causa das críticas talvez, que a mim não me fazem diferença. Tarantino é sempre Tarantino.
Comentário foleiro, mas neste momento não há cabeça para melhor.

na outra banda disse...

teu texto vai de encontro ao que mais apreciei no filme: o conjunto de actores de escolas tão diferentes que brilham em sintonia com a batuta do maestro tarantino.
tirando o maldito intervalo, passou rápido! :)

Nia disse...

Um filme assombroso indeed.

looT disse...

Red: Imperdível!

Hugo: Por causa das críticas? Tenho lido críticas que aplaudem imenso o filme. E é verdade tarantino é sempre Tarantino. Tens de a convencer é BRUTAL.

Na outra banda: Ah o intervalo também o tive de gramar.

Nia: ...Indeed ;)

QUEIROZ disse...

É realmente sensacional Inglorius, a liguagem de Quentin Taratino em um filme de época. Tenho ainda esperança dele dirigindo um filme de Banda Desenhada, e que seja o Superman.

Valeu loot.

looT disse...

Não sei se deixam o Superman cair nas mãos de tarantino, duvido :P

Abraço