segunda-feira, junho 22, 2009

Death Note


"The human whose name is written in this note shall die"

Se tivesse de resumir esta saga em apenas uma frase esta seria sem dúvida a escolhida. É uma frase que irá acompanhar toda a obra e que consiste na sua premissa: um caderno com a capacidade de matar qualquer pessoa cujo nome nele seja escrito e cuja cara seja conhecida a quem o escreveu (esta última parte é também obrigatória de forma ao caderno não matar pessoas com o mesmo nome). Este é o caderno da morte.
Os Shinigami´s (deuses da morte) existem e são eles os detentores dos "Death Note" os quais usam para tirar a vida. O mundo dos Shinigami´s é desértico e sem vida, a maior parte dos seus habitantes passa os dias a jogar numa apatia extrema. Ryuk aborrecido com a sua vida decide terminar com esta monotonia deixando cair um "Death Note" no mundo humano.
O caderno vai parar às mãos de Light Yagami um indíviduo dotado de uma inteligência excepcional e que partilha com Ryuk o sentimento de monotonia para com o seu mundo, monotonia essa que irá terminar para ambos a partir do instante em que Light segura neste "Death Note".
A princípio Light considera que o caderno não passa de uma brincadeira ridícula, afinal de contas é impossível um objecto possuir tal poder. No entanto sente-se tentado a experimentá-lo e verdade seja dita quantos de nós não sentiriam? Decide então usar o caderno num criminoso, não vá o diabo tecê-las, aproveitando um relato na televisão sobre um homem que tinha raptado oito pessoas numa enfermaria, incluindo crianças.
Para sua surpresa o raptor morre de ataque cardíaco passado 40 segundos do seu nome ter sido escrito no caderno (quando não se especifica a morte nem o tempo, todas as pessoas morrem de ataque cardíaco e 40 segundos depois de os seus nomes terem sido escritos no caderno).
Aterrorizado a princípio decide investigar melhor a autenticidade do caderno e após a comprovar decide usá-lo para um bem maior, começando a eliminar todos os grandes criminosos com o objectivo de criar um mundo justo e pacífico, um mundo onde ele governará como o seu novo deus. Não fosse esta última parte podíamos dizer (concordando ou não) que os ideias de Light eram 100% altruístas, de qualquer das maneiras a sua maneira de pensar contribui em muito para a qualidade da obra uma vez que é muito mais interessante termos um personagem a usar este caderno para eliminar o mundo do mal, ao invés, de um tipo qualquer que o usa apenas para obter poder e dinheiro.
Esta ideia é, na minha opinião, muito apelativa e captou logo a minha atenção, no entanto, por muito interessante que seja ter alguém que possui um "Death Note" não chega para tornar a história aliciante e é aí que entra...L!
Para criar o impacto que pretende no mundo Light tem de provar que é alguém que está por detrás de todas as mortes e que estas não são casuais, para isso escolhe o ataque cardíaco como causa de morte para todos os que julga. É certo que o simples facto de morrerem apenas criminosos denúncia que algo de errado se está a passar, mas ao escolher sempre o mesmo método de homícidio Light leva não só a polícia a chegar a essa conclusão mais rápido como garante que nenhuma das suas julgações passe incólume. Assim quando algum criminoso morre de ataque cardíaco sem nunca antes ter revelado problemas do foro cardíaco a sua morte é logo associada a Kira, o nome pelo qual Light virá a ser conhecido pela multidão. A fim de deter este criminoso desconhecido que mata de uma forma inexplicável surge L, o melhor detective do mundo cujo nome e face são desconhecidos para todos inclusivé para aqueles com quem trabalha, salvo a excepção de Watari o seu fiél parceiro.
Mal começa a trabalhar no caso L descobre factos extremamente importantes sobre Kira confrontando-o em directo através da televisão. Este confronto mostra-nos que estamos perante um duelo de Titãs e que a luta entre estes dois ao longo do livro será no mínimo memorável.
O autor Tsugumi Ohba nunca teve a intenção de impingir uma ideologia ao longo da série uma vez que cada pessoa tem a sua própria noção de justiça. Isso foi provavelmente a decisão mais correcta e é engraçado constatar que há semelhança do que ocorre no Manga existem aqueles que condenam Kira e aqueles que o defendem. Na minha filosofia de vida nunca considerei as acções de Light Yagami como correctas, o mundo pacífico que idealiza baseia-se numa falsa paz que é construída através do medo, além de que nenhum ser humano tem o direito de tirar a vida a outro. No entanto o tema da justiça é algo que acho extremamente fascinante e complicado de debater, o mundo não é a preto e branco. Por isso não interpretem a minha opinião como um mero "Light é mau e L é bom", como disse as coisas não são tão lineares e se há um personagem que representa a bondade e a integridade em "Death Note" esse alguém terá de ser Soichiro um oficial da polícia que irá assistir L na sua investigação.
Aliás estando em pólos completamente opostos os personagens de L e Light tocam-se. Ambos são muito similares na forma de pensar uma vez que são extremamente inteligentes e capazes de determinadas acções quando pensam que os fins justificam os meios.
No entanto nem tudo é excelente nesta obra, na verdade podemos dividir "Death Note" em duas partes, com uma primeira fascinante e uma segunda, mais fraca, mas também de grande interesse.
A arte está a cargo de Takeshi Obata conhecido pelo seu trabalho em "Shonen Jump" e é maravilhosa. É de salientar o seu trabalho notável na criação dos personagens, criando figuras já clássicas de Manga. Tão cedo não esqueceremos o ar snob e esbelto de Light ou os tiques e maneirismos de L. E depois há ainda Ryuk, nunca um deus da morte foi tão divertido.
A série de Manga é composta por 12 volumes e existe também no formato de Animé. As diferenças entre elas são mínimas apesar de ambas conterem cenas exclusivas. A maior diferença está no final que na Manga se prolonga um pouco mais ao longo do tempo. No entanto qualquer uma delas é uma boa opção para ver esta, muito aconselhada, série.
Quanto aos livros existe ainda um 13º que consiste em extras. É um livro interessante mas não indispensável. Contém uma secção onde explica tudo o que se passa na história algo desnecessário para quem a leu com a devida atenção. É normal que por vezes surjam algumas dúvidas uma vez que "Death Note" tem um ritmo alucinante com grandes acontecimentos a ocorrer em todos os capítulos. No entanto as respostas estão todas bem fundamentadas na história e até as regras do "Death Note" vão sendo reveladas/relembradas ao longo da saga, algumas das quais são essenciais para entender algumas acções enquanto outras não passam de meras curiosidades. Este volume contém também fichas de identificação para todos os personagens, mas que claramente não foram feitas pelo criador, uma vez que ao compararmos a ficha de L, Light e Near, o primeiro é considerado o menos inteligente quando páginas à frente temos o autor do livro a dizer precisamente o oposto que L é o mais inteligente em "Death Note" isto entre outras coisas tornam estas fichas obtusas.
O que realmente vale a pena neste 13º volume são as entrevista aos criadores, as histórias humorísticas, a primeira história de "Death Note" lançada na "Weekly Jump" e um cartão com um segredo que nunca é revelado na série.
Actualmente esta obra está a ser re-lançada com uma nova edição de nome "Death Note Black Edition". Nela podemos encontrar algumas páginas a cores e as extremidades das páginas estão pintadas de negro.


Há semelhança do que perguntaram a Tsugumi Ohba e a Takeshi Obata gostava de enumerar os meus três momentos favoritos desta obra que obviamente NÃO DEVEM SER LIDOS POR QUEM NÃO CONHECE A OBRA.

3 - O primeiro confronto entre L e Light. quando L o engana usando um recluso para se passar por ele. Golpe de génio que o fez reduzir a investigação ao Japão.

2 - A morte de L. O impacto é grandioso. Ohba ficou três dias sem comer depois de a ter escrito. E é de salientar que um deus da morte teve de se envolver e morrer para que L perdesse a vida. Near e Mello nunca tiveram de enfrentar um deus da morte.

1 - O momento mais "what the fuck" da série tem de ser quando L revela a sua identidade a Light. Foi uma jogada que não estava à espera de tão arriscada que é. No entanto L não falha.

11 comentários:

Bongop disse...

Agora conseguiram cativar-me para Death Note! Foi a reciew mais apelativa das que já li.
Foste apanhado pelo manga?

ehehehehehhe

Abraço

celtic-warrior disse...

Foi o melhor anime que vi até hoje (está a anos luz do Naruto), portanto desisti logo de comprar o manga, não faria muito sentido.

Obrigado por me lembrares disto, deu-me vontade de rever os episódios agora nas férias :D

crucios disse...

HAHAHA mas não queiram comparar! o anime está bom... mas o final do anime nem se compara ao já "lendário" da manga... do death note claro... por isso é obrigatório ver as 2 versões.

looT disse...

Ontem acabei por não rever o texto e hoje encontrei alguns erros ortográficos e de semântica que já corrigi.

Bongop: Muito obrigado é a melhor coisa que podem dizer quando escrevemos sobre uma obra.
Sim fui completamente apanhado :D

Celtic: Actualmente penso que Naruto, Death Note e Full Metal Alchemist são os Mangas mais populares.
De Full Metal nada vi, mas entre os outros dois escolho Death Note sem hesitar. É certo que vi uns meros episódios do Naruto e até tinham alguma piada e alguns personagens interessantes mas não me convenceu, tenho de experimentar ver mais um dia destes, por enquanto não estou para aí virado.

Eu adorei tanto o animé que comprei a caixa com a colecção inteira. Devorei os livros.

Crucios: Por acaso nem me lembrei disso porque os livros são os que tenho mais presente, mas já coloquei a nota no texto.

O final do livro é maior e conta coisas bem interessantes que não mostram no Animé, no entanto o climax do final no animé está diferente do livro e é uma cena também bem bonita.

Já agora em defesa do animé na Manga a cena com o L no terraço à chuva e a ouvir os sino não existe.

SPOILERS
O final da Manga é muito interessante porque mostra que Light acabou por conseguir parte do que queria...tornar-se um deus.

abraço a todos

na outra banda disse...

vi alguns episódios no animax, mas perdi o fio À meada desde que mudei.
uma amiga "japonesa" refere o mesmo que citas: tinha muito para oferecer, mas no final, parece que a obra tira o pé do acelerador.
no brasil, adaptaram isto para o teatro...algo assim :)
mas não fazia ideia que era bd. só um programa de tv, nada mais...
abraço!

looT disse...

Uma peça de teatro sobre Death Note? Não fazia ideia.

Se puderes dá uma vista de olhos nisto que vale a pena e depois vais perceber o que é o "tirar o pé do acelerador" :P

Abraço

Simas disse...

e também para o cinema

looT disse...

É verdade. Eu confesso que vi o trailer e perdi qualquer vontade que poderia ter em ver esse filme. Posso estar enganado claro, mas o aspecto não me convenceu nada.

Judas Yagami disse...

Sou um fã de DN (Death Note) desde q o mangá rolava na rede em espanhol.
Nem existia Mangá traduzido pra o português na rede, e nem se sonhava passar o animê.

Bem, simplesmente quando eu assisti DN nunca mais consegui acompanhar quaisquer outro animê.

Todos os outros quando inicio... nao passo do 5º Epi e encontro "N" defeitos se comparado a DN (seja história/ personagens/ qualidade artística).

Quanto a os animes aí citados (Naruto e Full Metal), prefiro nem comentar... principalmente se tratando do primeiro q nada mais é q uma manjada trama by Yu*Yu/Saint Seiya.

Quanto ao Blog,
eu adorei... estou add ele a minha lista de favoritos, perdoem-me por qualquer coisa mas é essa a graça de viver em um mundo "livre": Se Expressar.

:)

looT disse...

Eu conheci muito depois. Um amigo meu sugeriu e eu comecei por ver o animê. Gostei tanto que tive de comprar os livros.

Ando a tentar aumentar o meu conhecimento de Manga, mas por enquanto sem dúvida que Death Note é um dos meus favoritos, mesmo assim há muita mais Manga de grande qualidade.

Aconselho vivamente a leres "Akira" a obra que me deu a conhecer o género. O filme é bom mas o que vale mesmo a pena são os livros.

Agora hei-de começar "Gantz" tneho ouvido maravilhas sobre este.

Obrigado pelas palavras em relação ao blog e volta sempre.

Abraço

Anónimo disse...

esse anime é fera! pena que não passe em tv aberta.